Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

O que sinto quando recebo a mensagem de parabéns?

Uma mistura de gratidão pela lembrança, de proximidade de amigos que não vejo por um longo tempo. Uma nostalgia de algumas mensagens de lembranças do passado e outras do presente.

Confesso que não sou caprichoso ao ligar e relembrar da data de aniversario de muitos amigos. Essa atividade vai e vem da minha lista de TO DO, revisar diariamente os aniversariantes e desejar o melhor para o ano que se inicia. Confesso que não consegui adquirir o hábito, e com frequência me cobro pela falta.

Neste aniversário foi diferente, cada parabéns me permitiu uma mensagem de agradecimento, principalmente os que me parabenizaram diretamente, e um contato pra saber como esta ou uma reconexão. Percebi que muitos que já tiveram muito próximos, agora estão mais distantes, e mesmo assim nos mantemos conectados. Pessoas que admiro há mais de 20 anos, outras a 10, outras a pouco tempo, mas parece que no aniversário ultrapasso minhas habilidades de conexão e me conecto com mais pessoas.

Fiquei me perguntando como manter essa frequência de conexão mais vezes ao ano? Comecei a pensar onde muitos estão, em mais de 15 estados do Brasil, Espanha, Chile, Venezuela, Uruguai, Argentina, Costa Rica, e muitos em viajem por algum lugar no mundo.

As amizades ficam marcadas pelos bons momentos e pelas excelentes conexões e situações que vivemos juntos, escola, bairro, cidade natal, faculdade, festas, viagens, cursos, trabalho e quantas tantas possibilidades de conexões existiram, ainda me sinto próximo de todos, principalmente no meu aniversario.

As redes sociais me mantem conectado, próximo virtualmente, mas nada substitui um abraço. Já fui mais onipresente, já estive mais próximo no ir e vir, mas as prioridades vão mudando, fisicamente nos distanciamos, e o abraço efetivo sempre fica pro próximo ano.

Respondendo a pergunta, me sinto feliz pelas lembranças, com vontade de abraçar todos de alguma forma, e proporcionar reencontros pra saber como cada um está, o que aconteceu neste tempo todos que não nos vemos, e retomar as histórias antigas, os causos e os momentos divertidos e marcantes que vivemos juntos.

O que fazer no ultimo dia do ano?

O que fazer no ultimo dia do ano? (31/12)

Como lido com o medo a cada mudança de ciclo?

0