Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

O que acontece quando utilizamos a palavra abundância? (7/dez)

Tenho percebido serias dificuldades em utilizarmos palavras de impacto. Não que eu não acredite na abundância de recursos, abundância de idéias, abundância de tudo a partir do acesso. Mas apoiar-se em uma palavra pelo impacto que ela representa pode em algum nível gerar frustrações, inclusive minhas.

Não sou dos mais estudiosos, nem tenho a intenção do saber sobre o que vou descrever. Mas tenho me percebido receoso a cravar palavras em pedra. A palavra competência por exemplo tem sido recorrente no meio meio de trabalho, mas percebo que por algum motivo na língua portuguesa muitas palavras comunicam por si só, mesmo com falta de contexto. E assim como competência por trazer olhar de êxito, pode também refletir traumas.

O mesmo ocorre com abundância, dependendo da percepção e das experiencias que temos com o uso dessa palavra podemos nos impactar até mesmo negativamente quando só olhamos para a palavra.

Eu uso costumeiramente a palavra abundância, e não reflito tanto quanto neste momento. Esta semana recebi um feedback de muito cuidado, me trazendo luz a utilização de algumas palavras para descrever um lugar. Ao escutar essa voz, me lembrei a me perguntar o para quê falar de abundância?

Percebi que por traz da abundância, na minha percepção, está a prosperidade, e todo um significado a partir de histórias que precisam ser contadas. Olho para abundância e vejo conhecimento, tempo, recursos e não o dinheiro, muito embora algumas vezes ele se transforme e transmute em outras direções.

Só que é a minha percepção, vivemos em uma sociedade orientada a escassez, que quando alguém abre um curso limita vagas, os recados de últimos dias, de promoção, de desconto, de VAI ACABAR, parece que nos movem a um lugar de emergência, e me percebo as vezes operando nesse mindset, o que reforça minha percepção, de que utilizar palavras de impacto como “abundância” ou “colaboração” podem em algum nível poluir e não comunicar o que realmente queremos comunicar num universo de escassez e seguidas frustrações.

É como se falar em abundância fosse bonito, é cool, conecta e abre portas, mas Para quê mesmo quero utilizar a palavra abundância? Para contar minha história, minhas experiencias, para experimentar mais, acessar mais, conectar mais. Mais que quê? Mais quê quando?

É louco mas para escrever sobre abundância, comecei a julgar ou comparar uma situação futura a uma situação passada, uma idealização de um mais que não sei quanto. Nessa mesma percepção a abundância pode me levar a um lugar infinito, talvez improvável e somente idealizado na minha cabeça e não possível. O que assim me leva a um cuidado REAL DE NÃO GERAR FRUSTRAÇÕES.

Não sou eu que gero frustração, as pessoas a percebem no seu consciente, e claro, eu percebo a parte que me toca com minhas idealizações não ocorridas. Posso desejar algo possível, alcançável, simples, muito simples, que exista muita conexão, que as trocas sejam recorrentes, que conhecimento seja livre e aberto, que o campo de possibilidades fique aberto a receber o que chegar, e acontecer o que tem que acontecer.

E nesse olhar realmente ABUNDÂNCIA, está conectado a idealização, por que não utilizar a prosperidade com acessar o suficiente no momento presente. E essa frase possa descrever como é abundância pra mim, longe de todos os outros conceitos infinitos que existem na percepção de cada um.

Qual o desejo possível para hoje?

Qual o desejo possível para hoje? (8/dez)

Como navegar na incerteza e dançar as gargalhadas com o conflito?

0