Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Quem você conhece? E o que essa pessoa conhece?

 Quem eu conheço? Conheço mesmo?

Acho que ja respondi essa pergunta algumas vezes, quem eu conheço? é uma pergunta numérica, de quantas pessoas conheço, ou uma lista real de nomes de quem eu conheço?

As redes sociais talvez nos enganem, será que conheço realmente mais de 2500 pessoas? Um professor de networking me ensinou que conhecemos ou nos mantemos fortemente conectados com até 200 pessoas. Discordo com esse argumento em parte, mas concordo que talvez só mantenha atenção de até 200 pessoas, talvez conheça um pouquinho de muito mais pessoas, talvez das mais de 2500 conectadas a mim, nem que seja o segundo, minuto, horas ou anos que tivemos contato,

Paro e penso, ok, dos amigos que são meus amigos a mais tempo, talvez o Paulo André, o Rafael Carneiro, desde a primeira série, ou do meu primo Rodrigo, desde os 3 anos (que tenho memórias), ou do meu irmão que vi nascer aos meus 4 anos e desde então acompanhei até hoje, será que realmente conheço essas pessoas? Quem elas são hoje?

São 4 amigos dos mais antigos, com suas histórias, que confesso que deixei de acompanhar alguns capítulos, se tivesse que indica-los à alguém hoje, como alguém dotados de algum conhecimento, conseguiria referencia-los? NÃO, poderia dizer que são pessoas extraordinárias, da minha confiança, com índole, e muitas outras qualidades, mas referencia-las por algum conhecimento especifico ou algum recurso que atualmente saiba que tenham seria arriscado demais, simplesmente por não conhecer todos os seus capítulos, experiencias e recursos aos quais estão conectados. 

Quando me pergunto o que essas pessoas que conheço conhecem, as 2500, posso ser míope ou raso, a prejulgar ou pre-analisar pelo contato que tivemos. Mas imagine se eu pudesse identificar um recurso, ou um conhecimento especifico em potencial, em cada pessoa que trocou comigo, ou simplesmente cruzou meu caminho? Não seria espetacular? Imagine se eu tivesse tido um papo de 30 minutos ontem com cada uma delas, pra me contarem suas historias e aos projetos que estão conectadas?

Nunca tive esse olhar ou preocupação de apreciar no outro o que ele sabe, ou o que ele pode acessar, mas mudando a perspectiva das pessoas que me cercam, comecei a perceber que eu podia acessar qualquer conhecimento, ou qualquer recurso, apenas a partir das pessoas que conheço.

Sim, o effectuation, que tive contato no meu curso de inovação na Espanha na Universidad Europea de Madrid. me ensinou a olhar pro que já tenho, pra quem eu conheço, e que recursos essas pessoas tem disponíveis.

Quando voltei da Espanha, me experimentei tomar mais de 120 cafés em pouco menos de 60 dias, todo dia almoçava ou tomava café com alguém pra contar o que tinha aprendido e os projetos que estava construindo, dessa experiencia, mais de 40 novas pessoas conheci através de indicação das pessoas que já conhecia, entre elas o Fabio Carvalho, hoje meu sócio, irmão e parceiro de muitas empreitadas e aprendizados.

Comecei a entender que eu vivia em abundância pelas pessoas que conhecia, tinha acesso a qualquer conhecimento que precisasse em qualquer momento, e de forma auto-julgativa me senti culpado por não ter mantido contato frequente com todas pessoas que já havia conhecido ao longo da minha vida. Mais culpado ainda por ter me mantido descuidado por muitas pessoas que foram super importantes na construção de quem sou, mas que já não tinha contato à algum tempo, motivado pela distância.

Trago outro olhar, sou o que sou, pelas pessoas que conheci ao longo da minha vida, as que me ensinaram, as que convivi, as que ensinei, e as que tive oportunidade de troca de instantes ou tempos de companhia, sim, isso faz parte de quem sou. Voltando a pergunta provocativa, imagine se eu conhecesse, ao ponto de referenciar, todos aqueles que cruzaram meu caminho, e se tivesse construído conexão ou dados de todos esses indivíduos que me cercam? 

Pois é, ao imaginar me sentiria abundante, cercado de pessoas maravilhosas, mas quando acessei esses recursos pela ultima vez? quando acessei essa fonte infinita de conhecimento? Quando foi a ultima vez que pedi auxílio ou conexão com eles?

Venho trabalhando novas formas de acessar, conectar, e me manter presente, disponível para essas trocas, sem intenções especificas, mas na simples intenção de viver em colaboração disponível a mais e mais trocas...

Quanto temos feito em conjunto? Como tem colaborado em sua vida?

Quanto temos feito em conjunto? Como tem colaborado em sua vida?

Que problemas posso resolver hoje, com o que já tenho na minha mão?