Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como construir confiança em cenários viciados de desconfiança?

Aprendi muito sobre construção de confiança com John Croft e a Lizandra Barbuto quando fiz o Superando Bloqueios em 2016 (vai ter em POA do 29/8 a 2/9). Sempre quando falo de confiança lembro desses ensinamentos vindos desta experiência.

Tenho vivenciado essas construções na prática. Onde trabalho, a desconfiança e o medo são sintomas recorrentes. Nas organizações dos dias de hoje, os funcionários ou colaboradores (que bom se a palavra refletissem como são tratados) estão sempre ansiosos ou em posição de defesa com relação a tudo, com relação ao que, como e quando fazem.

A desconfiança se transparece em medo, e vice-versa, esta por todos os cantos, me sinto vivendo num mundo de desconfiança onde a confiança deve ser conquistada. Conquistar a confiança alheia é uma tarefa, as vezes uma missão, porém não é tão difícil quando parece. E não se trata de conquista...

Ainda sigo os passos aprendidos, como ser transparente, deixar evidentes minha vulnerabilidade e clarear as expectativas sobre minhas necessidades, intenções e pensamentos de futuro. Entender também nas relações onde se quer chegar e o que pode ser feito.

Extender a confiança, é difícil muitas vezes, mas por que não confiar primeiro, estar aberto, anfitriar e se colocar disponível, ao ponto de escutar primeiro (sempre queremos falar, ainda mais se somos agentes da transformação) , por que não escutar?

Se escutamos conseguimos falar honestamente a partir do nosso coração, somos verdadeiros ao ponto de confrontar a realidade, questionar e ser francos com as realidades e perspectivas apresentas, neste confronto ou conflito, surgem os testes e validações, perguntas para validar perspectivas, testando e melhorando sempre.

Agir com ética, ou seja falar aquilo que faz, simplifica tudo. Nos deixa transparentes e conectados. Manter-se comprometido até o final com os demais, demonstrar-se comprometido também leva a transparecer suas responsabilidades. Olho pra sequencia e me vejo nestes passos quando deixa aberto aos que me cercam "pelo quê" e "para quê" me ponho responsável, e como me comprometo com essa responsabilidade.

Caminho em direção aos reconhecimentos, as celebrações, demonstrar gratidão pelas interações e aprendizados, deixar claro os resultados e avanços de cada um, afinal quando estamos nestes cenários de desconfiança e mudamos o status quo temos que demonstra-lo e identifica-lo. Assim com essa demonstração de valores, finalmente conquistamos respeito que é a tradução literal do poder da confiança retribuída. Afinal Confiança não se conquista, se extende e se recebe, é um ato de genorisdade e de troca que fortalece toda e qualquer relação.

Crédito aos 12 passos da confiança, de John e Lizandra.

Quais vicios invisíveis que nos confrontam todos os dias?

Quais vicios invisíveis que nos confrontam todos os dias?

Que histórias criamos para nós mesmos?

0