Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como a vulnerabilidade permite criar ações de correção de curso?

A abertura da vulnerabilidade me permite perceber, pensar, agir no presente e talvez com interpretações sobre ela reagir a cursos inesperados e correção de rotas mais humanas e alinhadas com o bem comum.

Será?

Permitir-se vulnerável não é tarefa fácil, é perceber-se fechado e colocar-se em posição aberta, situar-se em posição de aprendizagem para corrigir comportamentos que limitam. Sim vivemos nos boicotando jogando jogos perde x ganha através de nossos vicios ou comportamentos que não nos apoiam. Colocar-se vulnerável e aberto ao novo, me permite corrigir, melhorar e simplesmente evoluir. 

A interação interna que ocorre em minha mente quando estou vulneráveis amplia minha sensibilidade, conecta novos canais sensoriais...ao conectar-me a mim mesmo no vazio do vulnerável, me reabasteço de sentido, trago foco para o meu melhor comportamento corrigindo novos rumos, aprendendo o novo.

Esse estado vulnerável, é como um feedback, quando consigo adentrar nesse espaço, é um sinal de que estou bem, que estou evoluindo e integrando conhecimentos. Nesse lugar o eu já sei, é substituído pelo vamos experimentar ou vamos aprender de novo. O reconhecimento (conhecer de novo) que ocorre nesse "espaço tempo" de aprendizagem me permite empatizar com outros, gerar trocas, cocriar e simplesmente ser.

As transformações que venho experimentando em mim, brotam de lugares vulneráveis, brotam de falas que comtemplam a conexão sem desvalorizar o outro e sim, concriando junto, gerando novos significados.

É como que se nesse lugar eu consiga misturar conceitos, mesclar teorias, conectar comuns, e dar novas interpretações metafóricas na aplicações da teoria pelo olhar da pratica.

Como aprendes? Qual o teu formato de aprendizagem?

Como aprendes? Qual o teu formato de aprendizagem?

Como lidamos com as incoerências? (23/jun)

0