Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como empoderar outros através da suas histórias?

Não sei o como , não sei o para quê?, não sei... e ao não saber o campo de possibilidades esta todo aberto.

Quando contamos nossas experiências através de histórias tornamos possível deixa-las eternamente escritas, como tantas outras histórias que acessamos até aqui.

Talvez, essa história possa gerar algum impacto, alguma percepção, alguma reflexão, ou talvez seja repetitiva, algo cotidiano de alguém ou não gerar nada, tudo é possível.

Acho que me inspiro em algumas histórias que tenho contato ao longo do dia, muito focado nas experiências contadas, uso de poucas citações, por não estar escrevendo sobre histórias de outros, e sim apenas das minhas histórias. Suspiro e penso quantas histórias estão ficando esquecidas e não sendo contadas?

Quantas experiências, que podem parecer simples ao olhar próprio, mas podem despertar novos conhecimentos a outros olhares. Vivi muito tempo calado, experienciando minha vida, sem muito escrever, sem muito contar, claro que em conversas houveram trocas, muita trocas, mas quantas trocas deixaram de acontecer por eu não contar a mais pessoas a minha experiência ou sensação, por simplesmente não deixa-la escrita e acessível. E quantas historias deixei de conhecer, por não terem sido escritas por outros?

Em 2011, vivi um processo de recolhimento muito forte, talvez em alguns olhares uma depressão, ou simplesmente um momento de repensar, de redefinir, e de olhar pra dentro. Naquela época, vivendo no sertão baian em Tanhaçu, escrevi, escrevi muito, dias sim, dias não, mas num período de 100 dias lá estiveram 100 paginas daquela história, daquele momento. Reli algumas vezes e por muitos dias eram textos pesados de reclamação, textos de duvida, textos perdidos como eu, perdidos como eu me sentia, e aos poucos, escrever, esvaziar e contar a história que estava vivendo foi me transformando, me trazendo novos olhares e novas percepções. 

A cada pagina que escrevia revisitava o passado, contava o presente e me perguntava o futuro, através da história que vivia e experimentava naquele momento, aqui repenso se não poderia reescrever aquela história com o olhar de hoje? Creio que é uma ótima possibilidade com novas perguntas.

Naquele tempo não tinha vivido tantas experiencias de autoconhecimento, estava sim começando a me conhecer, a perceber a necessidade de identidade, mas mesmo assim o escrever me permitiu contar histórias, que ainda hoje posso ler e seguir aprendendo sobre mim mesmo, me empoderado através das minhas histórias, e talvez assim, sem pretenção alguma, simplesmente compartilhando possa inspirar e empoderar outros.

Como começar a escrever?

 

Como começar a escrever?

Como trabalho com minhas afirmações?