Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como transformar desconfiança em aprendizagem? (27/jul)

A desconfiança neste momento pode ser traduzida também em insegurança, ou falta de confiança em si mesmo. Como posso transformar a minha insegurança em algum aprendizado?

A falta de confiança é um sinal, um sintoma, talvez possa chama-la de feedback do universo.  A insegurança se transforma em sinônimo, se duvido de mim mesmo, se me sinto inseguro é um sinal de que algo esta acontecendo com meus limitantes, com minhas histórias, e estas estão de alguma forma atuando na minha mente e provavelmente gerando paralisia.

Ao estar presente e atento a este sinais, me pergunto o que estou aprendendo? A situação existe para gerar algum aprendizado, a sincronicidade da situação, ou o desafio que o universo esta me proporcionando, em alguma profundidade traz um aprendizado em si, pode ser um aprendizado de uma nova forma, de uma nova experiencia, de um novo olhar e até mesmo de novos sentires.

Tenho andado desconfiado de mim, preocupado que talvez não consiga levar a frente o que me propus, e colocando demasiado peso nas minhas costas, como se tudo dependesse apenas de mim. Nos últimos dois dias me vieram novos insights, de talvez olhar para esse meu eu desconfiado e inseguro de outra forma, na terceira pessoa. Esse Rafa triste, desconfiado, inseguro, critico e reclamão me da sinais de que alguma mudança em mim se fazem necessária, mesmo que sejam mudanças de perspectiva ou olhar.

Ao pensar assim, olho com mais amplitude para os últimos acontecimentos, desfoco da relação em mim, e aumento o campo de abrangência do problema, muito provavelmente não relacionado a mim, e ao invés de me defender, contra atacar, buscar culpados ou razão, mudo o foco para encontrar alternativas, abrir espaços de conversa e quem sabe gerar novos olhares e novos aprendizados no positivo da situação.

Volto a pergunta inicial e respondo como outras, a solução esta novamente na conversa, no diálogo. Falo da conversa consigo próprio para se perdoar, se aceitar e entender que a confiança não vem de fora e sim de dentro, sendo assim eu gero a minha própria insegurança, muitas vezes buscando me apoiar no outro para justifica-la. Ao estender a confiança a mim internamente, estou pronto para aprender o que o outro tem a me ensinar, ou o que a situação preparada pelo universo tem a me ensinar.

Do meu diálogo interno, cuidando de mim primeiro vem a abertura e a inspiração para estar disponível a aprender e evoluir.

O que acontece quando ponho amor no que faço?

O que acontece quando ponho amor no que faço? (28/jul)

Que tipos de bloqueio proporciono a mim mesmo por excesso de pensamentos?