Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

O que acontece quando ponho amor no que faço? (28/jul)

...compartilhando AMOR, sabedoria e alegria...

Tenho feito muitas coisas sem compartilhar amor, simplesmente por que tem que ser feitas. Como tudo na vida, temos que fazer algumas coisas que não gostamos para poder fazer outras que gostamos. E assim acabamos colocando amor em algumas coisas, e em outras não. Tudo no automático, no critico, na percepção de auto-escolha do que é bom e ruim, do que gosto e não gosto, do que amo e do que não amo.

Amor é diferente de paixão, mas um tem um pouco do outro. Estive recentemente apaixonado pelo que vinha fazendo, mas percebo agora que talvez não tivesse amando o suficiente o que vinha fazendo, e assim a qualquer sinal de fraqueza a paixão se vai ao contrario do amor quando o rompimento é mais delicado.

Por que trago esse olhar, em abril fui pego de surpresa ao repetir o seminário insight I, quando falei que a empresa em que estava, não se preocupava de verdade com as pessoas, recebi a pergunta de por que eu estava lá? O rafa apaixonado (herói salvador) respondeu que se mantinha lá por que era o fator de mudança, por que sentia que podia mudar o paradigma e corrigir o rumo.

Talvez sim eu possa corrigir esse rumo, mas de outra forma, ontem percebi algo diferente, amo apoiar pessoas, amo conectar pessoas, amo mudar paradigmas para que times se formem, que equipes e seres humanos se desenvolvam, tenho amado ser anfitrião, tenho amado ser facilitador de jogos voltados ao autoconhecimento, amei facilitar o Estaleiro Liberdade, amo estar em processos de desenvolvimento pessoal, participando, assistindo, apoiando ou simplesmente estando a disposição.

Ao findar o paragrafo anterior, percebo que venho fazendo coisas que amo, tento levar para a empresa mas eu mesmo me bloqueio, por ter perdido um pouco do encanto, um pouco da paixão, talvez seja o universo enviando feedbacks de correção de rumo.

Me sinto potente e amando quando entrego amor ao processo de desenvolvimento de outros, é um dar em que recebo infinitamente mais, sorrio mais, me divirto mais, meu rosto muda. Hoje me percebi risonho, feliz, divertido, vendo a evolução de outros, e como me faz bem apoiar outros a passar por alguns caminhos que já passei. Como o bem do outro, a cura do outro, me faz bem, não pro meu ego, mas sim energeticamente para mim, é como se eu bebesse de uma sabedoria ao apoiar outros a evoluirem, é como se de alguma forma as histórias de outros se somassem a minha me tornando melhor, mais evoluído e com grãozinhos a mais de aprendizado.

Esse é o meu lugar, quando estou em grupos, em processos de autoconhecimento, e em processos de evolução, times, equipes ou grupos, estou em casa, estou num lugar onde meu amor aflora, e o verdadeiro RAFA aparece, o RAFA FORTE, CONFIANTE, COMPROMETIDO E LIVRE. O compartilhar de amor, sabedoria e alegria se torna natural. Os sorrisos fluem, o humor aparece, o palhaço em mim emerge, e faço rir, me deixo rir e assim...

Estou presente vivendo a partir do meu coração...

O quanto bloqueamos o fluxo da vida, não nos permitindo receber?

O quanto bloqueamos o fluxo da vida, não nos permitindo receber?

Como transformar desconfiança em aprendizagem? (27/jul)