Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como soltar para que os que amamos façam suas escolhas, independente de nossa opinião?

Talvez o soltar mais difícil de todos. Vivo e vivi por muito tempo na arrogância de achar que sei o que é melhor para meus pais, meus familiares e minha filha, sei que eles também achavam que sabiam. Inconsciente ou consciente disso julguei atitudes, julguei escolhas e forcei, diversas vezes, minhas opiniões no sentido de convencer todos de algo que acredito. Santa inocência e arrogância.

O julgamento nunca foi bom, opinião sobre o que os outros tem que escolher também não foi bom, e com esse horizonte, o resultado foram sempre enfrentamentos, combates no intuito de demonstração de força e argumentação para convencimento. Qual o resultado? Zero, em muitas vezes foram discussões, dores e tristezas, diria que o resultado foi um perde perde generalizado pra todos os lados.

Todo final de ano rolavam discussões nesse sentido. Neste ano foi um pouco diferente, deixamos, não só eu como todos, de tentarmos nos convencer das opiniões de cada um, nos aceitamos mais, estivemos mais abertos a dar espaço pra o jeito de cada um, e foi ótimo, mais leve, mais saudável, sem discussões ou brigas, mesmo que em alguns momentos beiramos o quase, mas conseguimos todos nos segurar como familiares.

Não tentamos nos convencer, não discursamos do que é melhor para um ou para o outro, e deixamos que cada um se mantenham nas suas escolhas e no seu jeito de ser. Foi maravilhoso, a experiência foi muito boa, além de ter sido muito mais fácil.

Volto ao como, e fico com a sensação que a escolha é amar, entender que somos imperfeitos e que cada um tem suas experiências e olhares, e que esta tudo bem, o olhar firme de que não existe certo e errado e não precisamos nos convencer, facilita o soltar.

Escolho soltar, e me permitir observar, claro que um pitaco nunca é demais, mas em tom de apoio e não de critica ou julgamento, fica tudo mais leve.

Como me sinto quando dou um passo grande na direção do incerto?

Como me sinto quando dou um passo grande na direção do incerto?

Qual os planos para quando passar dos 70 anos?

0