Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como praticar a arte de saber dizer não?

Como praticar a arte de saber dizer não?

Disse não e demorei quase 10 dias para colocar em dia minhas publicações para mim mesmo. Mas precisei e escolhi dizer não para isso por entender que não estava bem, e o tempo iria me colocar em dia comigo.

Preciso dizer outros nãos, fechar outros ciclos, e ir aos pouco vivendo mais no que me faz bem e na minha potência de entrega.

Sei que muitos precisam de mim, e gostaria de falar comigo. Eu gostaria de ter tempo de qualidade com muitas pessoas que estão próximas e não tenho conseguido conversar. A forma que encontro, é passarmos 3 dias juntos no Art of Hosting conversando profundamente sobre a Alegria e Leveza nas relações.

Não sou mais importante que ninguém, mas só tenho 24 horas no dia, mesmo as vezes dormindo só 3 como hoje. E está tudo bem, vibro de acordo com a energia que tenho.

Vamos juntos viver 3 dias no kyros, em 72 horas que podem parecer mais de 1000 pelas infinitas possibilidades de trocas e aprendizados que vamos experimentar.

E esse texto é sobre dizer não, sim, por que vão aparecer vários desejos de sorvete no domingo, de ir no parque, de encontrar a turma no sábado, ou de atender o celular e responder inúmeros emails ou mensagens de grupo de whats. E por 3 dias, vou me dar a oportunidade de escolher estar conversando, e até mesmo dizendo não para convívio com minha mulher e filho, na certeza de que estamos bem e claros que nesse momento estar em um art of hosting, conversando sobre a alegria e a leveza nas relações comigo, com o outro e que vão permear na Simplify vão me fazer potente, e feliz para transbordar energia e amor para o meu filho, filha e família.

Deixo o convite, venha viver conosco esses 3 dias incríveis, mágicos, com muitos nãos, e INFINITOS SIMS.

Para quê conversarmos em coletivo?

Para quê conversarmos em coletivo?

Como as histórias mais violentas e doloridas podem ser ressignificadas? Onde entra a não violência? (06/fev)