Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Qual a importância dos acordos visíveis?

Serem ferramentas de apoio.

Já vivi em lugares com regras, somos cercados por leis, e um conceito desde sempre do questionamento do pode e não pode.

Tenho aprendido que existem outras formas, outras comunicações que podem nos apoiar para estarmos juntos, como princípios e acordos.

Busquei a etimologia da palavra acordo, e ela revela harmonia, mas substancialmente o olhar de “A” Para, “cor” coração. Para o coração. Para estarmos juntos conectados com o coração.

A importância dos acordos visíveis é de que cada coletivo pode ter os seus e está tudo bem, só que não temos a obrigação de sabe-los e muitas vezes se são mais de um, torna-los visíveis nos ajuda a vive-los.

Acordos são para serem vividos, não para serem seguidos. Podemos olhar pelo significado de respeito, mas mesmo assim quem não segue um acordo pode não estar desrespeitando, simplesmente algo que aconteceu não foi envolvido pelo acordo e existiram outras possibilidades.

Acordos são instrumentos vivos (na minha ótica e tudo bem se alguém discordar), acordos não são para concordar ou discordar, são traduções definidas por alguéns do que já aconteceu e do que apoia para seguirmos evoluindo.

Quando temos acordos brigamos menos, discutimos menos, entramos em menos confrontos por razão. Expectativas não são frustradas, desejos são respeitados dentro de um contexto, e o convívio evolui. Só que precisamos internalizar os acordos, vive-los ao ponto de fazerem parte de nós.

Trago um que gosto muito, “Anfirtie melhor do que foi anfitriado.” Tão simples e tão poderoso ao ponto de estarmos sempre evoluindo no conceito de receber e aproximar os outros. Ele oculto não resolve nada, visível na parede não é a visibilidade que estou falando. É sim visível na prática, na ação no efeito do convívio.

Praticar acordos os torna visíveis, e vice versa, falar sobre eles, dar contexto sobre algo se apoiando neles fortalece as relações de um coletivo, comunidade ou não. Atualiza-los com uma frequência cadenciada permite que eles sigam vivos acompanhando a evolução humana.

Que pena que nossas leis não são acordos.

Sinto que os acordos nos conduzem ao aprendizado, diferente das leis e regras que nos conduzem a punição. Aprender pelo espelho positivo nos fortalece, e talvez essa seja a maior importância da visibilidade de acordos construídos através da prática.

Como conectamos uns aos outros, sem o medo da escassez?

Como conectamos uns aos outros, sem o medo da escassez?

Quando a intenção é mais forte que o medo?