Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Como persistir na entrega de valor constante sem equilíbrio de retorno?

Esta semana, acabei entregando valor a grandes públicos por 3 vezes, duzentas e poucas pessoas em um, 5 pessoas em outro, e umas 60 pessoas num terceiro.

Meu retorno financeiro? R$ 0,00. (E está tudo bem, isso é importante)

Minha satisfação? Um milhão de estímulos positivos pra continuar.

Terça tenho outro workshop, pensei em cancelar, e vi que estava fugindo, resolvi persistir, e fazer, colocar outra entrega para o mundo, se tiverem 2 pessoas, elas serão as privilegiadas em me escutar, e eu o abençoado da atenção delas, na troca que realizaremos.

Sim uma oferta de conhecimento, se trocada num 1 pra 1, ou seja se tiver 1 pessoa, já estou compartilhando e colaborando, se forem mais de 2, já estou multiplicando meu tempo em maior número. Segunda foi fantástico, comuniquei 200x 1 hora minha. É como se fosse uma entrega de 600 horas em apenas 3.

De alguma forma talvez nesta semana eu tenha entregado mais de 1000 horas de conhecimento aos outros, ainda sem reflexo financeiro, mas com um reconhecimento genuíno em cada olhar, e em cada felicitação ou gratidão de quem me recebeu com um abraço ou aperto de mão.

Acredito que a persistência nos faz mais fortes, e na arte de compartilhar conhecimento, todo público é público, todo ouvinte tem seu valor independente da troca financeira na relação, entrego por que sei que minha troca financeira será sistêmica em algum momento, só preciso traduzir e transparecer esse modelo que está demonstrado no Syntropy.

Sobre a pergunta, busco o equilíbrio, e talvez o equilíbrio venha de forma sistêmica. Como montarmos um programa para impactar uma escola municipal, entregando valor constante por um longo período até que esta escola seja capaz de se sustentar em iniciativas sozinha?

Pois é, vou por esse viés confiando que é possível, e que o equilíbrio surgirá. Confio, acredito que o tempo mostrará o caminho, e me permitirá as escolhas possíveis.

E se a estratégia fosse apenas uma nutrição do campo de intenções?

E se a estratégia fosse apenas uma nutrição do campo de intenções?

Como impactar A gerando valor pra B?