Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Quais perguntas te tocam quando experimentas reconhecer? (4/ago)

O que te emocionou? O que te apaixona? O que de mais especial aconteceu pra ti? Se tivesse que trazer alguém para algo que você curtiu, quem você traria? O que demais belo reconheço em você nessa jornada?

Eu podia aqui seguir construindo mais e mais perguntas, pra sentir ou replicar o que senti hoje, guardo um terceiro e novo certificado cheio de reconhecimentos, recebi o primeiro no Estaleiro Liberdade em Porto Alegre em 2014, o segundo recebi no Astillero Libertad em Madrid em 2016 e o terceiro agora ao final do Ponto Cego, também em Porto Alegre, com outros parceiros que encontraram diversos pontos de luz uns na jornada dos outros, o tempo todo provocados por perguntas.

Reconhecer, conhecer de novo, adicionar outras perspectivas as mesmas histórias, somar olhares, colher feedbacks e reconhecimentos de outros que te vem de outra forma, e a partir deste RE-OLHAR, RE-SIGNIFICAR algo muda, algo nos toca a ponto de compartilharmos em vós o que sentimos e multiplicarmos coisas lindas uns pros outros que nos tocam. As perguntas somente dão o estalo, por que as histórias estão em cada um de nós, prontas para serem contadas, através de perspectivas lindas direcionadas por perguntas criadas por nós mesmos.

Foi um dia em que fomos artistas em videos, criadores de cartões lindos que contavam histórias por si só, vimos que todos somos criativos, todos podemos estar na frente de câmeras, todos temos dons manuais, construimos histórias pela arte, em video e olhos nos olhos uns com os outros escrevendo ainda lindas mensagens, recebi 11 mensagens poderosíssimas de lindos escritores que são artistas por si só, que agora sabem que arte os habita, em video, em desenho, em escrita, em cores e em sorrisos.

Quando penso em perguntas que me levam a reconhecer, em algum ponto são perguntas que resgatam o positivo, o aprendizado, o que evolui, o que melhorou, o que de melhor aconteceu independente do foco ou da questão, todo processo é lindo quando olhamos por essa perspectiva, desde o mais simples e curto, ao mais longo e complexo, a simplicidade e o barato de perguntas, é que com uma pergunta amorosa podemos ver o belo em tudo que acontece conosco.

O dia foi especial, de ponta a ponta, no fim da noite ainda pude conversar calmamente com meus pais sobre o conflito de uma semana atrás, não podemos mudar o passado, o que aconteceu aconteceu, em diferentes pontos de vista entre uns e outros. Conflitar com minha família é um fato, temos muitas perspectivas nos fatos que aconteceram, talvez deixar estas perspectivas virem a tona, e se perguntar o que realmente importa daqui pra frente, pode nos permitir se reconectar, e nos reconhecermos com nossas limitações, mas também com nosso melhor, simplesmente perguntando ao outro o que de melhor aconteceu? E o que é mais importante daqui pra frente pra que continuemos juntos?

E se mesmo numa montanha russa, pudéssemos olhara para o que de melhor aconteceu?

E se mesmo numa montanha russa de emoções, pudéssemos olhara para o que de melhor aconteceu? (5/ago)

Como andam suas retrospectivas? (3/ago)

0