Viver em colaboração amando-me.

Sou um homem forte, confiante, comprometido e livre. Vivendo o presente, compartilhando amor, sabedoria e alegria.

Apaixonado por colaboração, acredito que a abundância de recursos está diretamente associada a conexão das pessoas com propósito comum.

Se partir de ofertas e pedidos pudéssemos fluir melhor criando ganhos pra todos? (25/ago)

To falando de plataforma, to falando de comunicação, mas me pertando se nos perfis e resumos que aparecem por ai nas redes sociais, eu escrevesse que estou precisando de x e y, em todas essas redes, deixar visível o que preciso. E a o mesmo tempo encontrando situações que as pessoas oferecem, num mecanismo de troca não dente por dente, mas apostando no sucesso do outro.

Eita que ficou confuso. Imagina a seguinte situação.

Alguém quer abrir um restaurante e tem um mínimo de grana pra os primeiros alimentos, e pro local ou espaço. Olho para situação e percebo que se alguém ajudar na comunicação, na marca, no design, no falar pra outros ou simplesmente no apenas ir no restaurante uma vez por semana, pode, aumentar a probabilidade de sucesso do empreendimento.

Essa pessoa não tem como me reconhecer neste momento pelo meu trabalho, mas ela pode me fornecer alimentação futura, ou ainda se la na frente der resultado, e a cultura for de reconhecimento quem sabe ela tenha a oportunidade de retribuir. Ficamos no se, e no desejo de sermos retribuídos.

Mas ai que vem o bacana, essa pessoa passa a saber o que preciso também dentro dos meus empreendimentos, e derepente alguém novo que vai no restaurante dela esta disponível pra me ajudar, e retribui não diretamente mas diretamente, e essa cadeia continua, uns promovendo os outros, numa lógica de colaboração e não de competição.

Ta mas e se o cara resolver abrir outro restaurante do lado? Que bom temos mais espaço e tem pra todos, que tal combinarem os cardápios para as pessoas fluirem os dois. Quem sabe agora com dois negócios não é possível também movimentar um estacionamento, ou uma sorveteria na frente de ambos pra depois da refeição. E assim pouco a pouco novas oportunidades vão surgindo, a partir de uma interação que aconteceu.

É como se houvesse o Tinder, daquilo que posso oferecer, e de quem procura algo e de alguma forma por confiança nos encontrássemos.

É uma outra lógica, outra forma, baseada em confiança.

De que forma observar o pensamento não linear?

De que forma observar o pensamento não linear? (26/ago)

Como dar mais visibilidade ao que precisamos?

0