• Rafael Urquhart

Como acordar e entender que tudo se resume a relações? (1/fev)

Relacionar-se com o outro.

A frase acima em tom afirmativo, deve gerar espantos para muitos, e provavelmente a exclamação…Uff é difícil? É complexo? Tem muitos se nãos, do tipo o geniozinho do fulano é terrível…

Ja escrevi algumas vezes que no fundo no fundo, todos problemas que temos são dores e desafios de relações humanas. Claro que saúde e a falta dela também são problemas sérios, e até mesmo ai a relação com nós mesmos, que também é humana, emerge como algo que pode simplificar tratamentos e cuidados relativos a saúde, como confiança e perseverança.

Tornar leve, simplificar, estar aberto a dizer o que precisa ser dito na hora que precisa ser dito, só que…Da forma que precisa ser dito. Sim a forma é tão importante quanto o contexto e o que vai ser falado.

Tenho jogado de peito aberto, ou digamos que de franco atirador. Tretou, converso, aprendemos algo e seguimos. Mas o inconsciente não é tão simples, algumas migalhas de descontentamentos ficam soltas e não limpas e podem se acumular. É quando guardamos algo que precisava ser dito e não é dito. Como não termos acordo de quando, de que forma, e com qual objetivo vamos falar, quando explode, já explodiu, e nem todos estamos preparados para juntar os cacos e seguir.

Ser simples não é ser fácil, venho na batida de não buscar entender, mas sim de viver o simples.

Simplificar as relações pode ser um caminho, pode ser uma experiência, não sei e não vou saber…

Como termos espaços cuidados para que conflitar não seja mais ruim?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f