top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como convidar as pessoas para contar histórias sobre você?

Um convite é precedido de um campo/espaço de conexão. É preciso preparar o espaço para o convite, convidar e então preparar o espaço mais uma vez para o já convidado. As vezes não sei o que vem antes, o convite ou a preparação do campo para o mesmo, são micro ciclos que se sucedem. Convidar pessoas para contar sobre as histórias que viveram comigo traduz um pouco desse olhar cíclico de campo e convite, afinal convidar pessoas que experimentaram esse campo comigo a compartilhar lembranças e aprendizados sobre ele me remeter a relembrar cada uma da sua importância e proporcionar que se sintam parte.

Sentir-se parte é uma necessidade recorrente humana, essa é a minha percepção. Eu preciso me sentir parte para colaborar. Preciso me sentir parte para fazer. Preciso me sentir parte para me conectar genuinamente.

Como então preparo o campo para que as pessoas se sintam parte do meu aprendizado?

Reconhecimento é algo que vem me mantendo curioso nos últimos 2 anos. Ser grato e demonstrar essa gratidão tem reforçado ainda mais essa curiosidade. A gratidão manifestada na direção do outro é em si uma ação de reconhecimento. Reviver mais uma vez algo que já aconteceu, elevando os pontos importantes através de gratidão sobre o que aconteceu entre 2 ou mais pessoas.

Registrar o reconhecimento é ainda um fator de ampliar a percepção de partes. Talvez por isso seja tão importante nos registros acadêmicos a referência, o reconhecimento. Referências pessoas, referências bibliográficas, referências do Linkedin. Quem te referencia? E você referencia à quem?

Desenhei no último ano um mecanismo de construção de hábito e registro de reconhecimento. Foi pra construção mas ficou estagnado no pré lançamento. Não foi pro ar. Muito por que eu precisava entender onde conectar essa ferramenta e se realmente as pessoas estariam abertas a experimentar, ou eu teria que fazer uma força absurda para que isso acontecesse. Esperei o tempo para entender outros modelos e a mim mesmo, onde essa ferramenta se conectaria.

A pergunta deste texto me traz esse olhar, antes de convidar as pessoas para contar histórias de aprendizado comigo, preciso manifestar e registrar o meu reconhecimento por elas. No último sábado desenhei um novo processo/ferramenta de apoio a transcrição da minha biografia (minha história de aprendizado). Manifestar o reconhecimento as pessoas, prepara o campo no convite a colaboração delas no compartilhar do que aprendemos juntos.

Ainda não sei se essa é uma solução ou verdade. Mas me parece num primeiro olhar a forma mais simples de me reconectar e me manter conectado aqueles que viveram aprendizados incríveis junto comigo.

Para que segmentar a observação da minha jornada em setênios?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page