top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como conviver com minhas dúvidas?

Sútil, mas recorrente que eu tenha por dois dias iniciado perguntas com o “Como Conviver?” em um momento tão duro e difícil de convivência para todos.

É como se o momento coletivo que estamos passando de alguma forma me afetasse a me questionar ao convívio comigo mesmo, mais tempo para estar comigo e em consequente mais pensamentos acelerados e por que não mais dúvidas.

É a pré-catastrofe da preocupação. Não bloqueei, mas poderia estar bloqueado. Não parei, mas podia estar parado. Não gerei novos movimentos e tampouco me senti ajudando os outros, mas poderia estar o fazendo. São tantos “ser” que as duvidas aumentam exponencialmente como o vírus.

Essa noite custei a dormir, não conseguia frear meus pensamentos e dúvidas. Como fazer? Como falar? Será que é o momento? Agora ou espero? O que pode resultar disso? Melhor não, segundos depois, melhor simmmm. Por que não? Ah mas vai ser mais difícil? Será? Faço ou não faço, eis a questão.

Sobre o que não importa, mas talvez são perguntas frequentes de quem passa por uma dúvida ou momento de escolha de ação. Por não conseguir dormir, parei pra ler, e a leitura em questão falava sobre aceitação. Simplesmente aceite, sem confundir aceitação com acreditar, podemos aceitar mas não ficar presos a crença ou o convencimento, aceitar não significa atribuir a razão, é mais simples.

Posso aceitar que estou com duvida, ao invés de ficar me punindo no meio dela. Posso aceitar que preciso de um tempo para refletir essa duvida e talvez ainda, aceitar que vou permanecer em duvida por mais tempo ou simplesmente agir.

É um mergulho duro em aceitar que tudo tem seu tempo, e que se for pra ser vai ser, independente do cenário, contexto ou as inúmeras possibilidades que envolvem a ação.

Realmente fica mais fácil conviver consigo mesmo quando aceitamos que somos apenas um ser pequeno ou apenas mais um aprendiz. Reduzir-se humildemente a uma parte do todo, contribui para aceitar mais fácil e dar o tempo necessários para que se possa agir sem culpa e principalmente sem dúvida.

Para que a reação?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Σχόλια


Post: Blog2_Post
bottom of page