top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como dar ouvidos a intuição? (28/set)

Algo me dizia que eu tinha que vir, que a desconexão comigo mesmo já estava num nível elevado.

Alguma voz gritava para que eu agisse noutra direção menos racional, que poderiam vir outras respostas, ou novas perguntas. Teoria U não era novo pra mim, mas o olhar para ela com a perspectiva de quem esta fazendo e praticando podia me trazer outros aprendizados.

Ver que a jornada do herói se repete, que o olhar do outro sobre si pode revigorar. Que o mundo esta todo igual, que a forma que o vemos nos limita, e nos torna pequenos, e que tudo é uma questão de perspectiva, de sentir, de viver e vibrar noutra frequência torna tudo mais desafiante.

Isso só é possível quando damos ouvidos a intuição, é difícil descrever essa palavra que pode ser tanta coisa, e conectada a tantas ferramentas, estudos e escritas. Mas intuir é sobre sentir, é sobre coração, é sobre não racionar nem pensar.

Intuir é permitir fluir, com abertura pra aprender.

Perceber que quando mergulhamos na U, deixamos algo partir para abrir para algo chegar, que o fogo queima o que vai, supervisionado pelo cosmos que nos cerca. Que as flores florescem onde menos se espera, numa rocha ou num banhado. Que a natureza se reinventa, em um galho quebrado, ou numa nova arvore, que o simples caminho limpo pode se tornar verde, como uma clareira incrível, e que essa clareira só te convida a respirar e tudo fluir.

Tudo isso é um pouco de intuição. Até mesmo quando o corpo fica sonolento, a atenção se vai, e contrariando a logica a escolha é sair e se afastar do grupo pra cuidar de si, isso tudo é a intuição de escutar o coração, de escutar o corpo, de se permitir fluir em outros movimentos, para sim sair do atoleiro, mas não pra voltar pra ele, e sim pra construir pontes sobre ele, pavimentando novos caminhos para fluir.

O que emerge quando saímos de um mergulho?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page