top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como desenhar visões sistêmicas comuns a todos?

Desenhar visões de sistemas. Me apeguei a esse termo ou ação.

Sistemas por natureza são de complexo entendimento. Quando muito complexo é necessária a fragmentação, em áreas, silos, processos, departamentos, ou seja, uma estrutura de cluster que facilite a uniformização e interpretação.

É quase impossível que alguém domine a complexidade do sistema como um todo, se não que tenha o entendimento simples e saiba com que conversar numa demanda específica. Acredito que isso era assim até pouco tempo, quando começamos a perceber a importância da documentação da jornada.

Documentar o que acontece, como acontece, quando acontece e através de quem acontece, são formas primárias de registrar padrões, que nos dão coordenadas de pontos para traçar qualquer inicio de desenho.

Como tornar isso comum a todos, disponível, acessível e facilmente consumível?

Parece um desafio sem precedentes a depender do tamanho do contexto.

Tenho percebido que sim e que não, a Wikipédia está ai para nos mostrar outras formas de documentação, descoberta e transparência do todo. O Github com suas ferramentas e complexidades também. Independente da ferramenta, o que é comum no desenhar como objetivo de comungar com todos?

Traduzir, ser visível, mostrar o caminho. Se existir uma rota, documentação, o que mais falta?

Perguntas…e talvez boas perguntas associadas a contexto.

Deixamos de aprender a perguntar, e por melhor que seja o desenho, se ele não for de encontro a pergunta correta não será comum a todos. Talvez os desenhos de visões tenham que ser provocações, que despertem a curiosidade e um jogo de perguntas. Estimular o perguntas talvez seja o melhor desenho para tornar a complexidade comum a todos.

Do complexo ao simples, como fractalizar?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page