• Rafael Urquhart

Como eu fluo na dissolução dos meus conflitos internos?

Fluir é sobre continuar, sobre respeitar o sentido, a orientação. É sobre seguir.

Sim tenho conflitos internos comigo mesmo, quem não tem?

Dissolve-los envolve novos aprendizados, pelo menos é assim que tenho feito, começo a dar ou buscar sentido nestes conflitos, eles ocorrem tentando me ensinar algo, me mostrar alguma verdade que ainda não pude acessar.

Teve tempos que eu me sentia um nada, pelas minhas incoerências, deve outros que o sentimento foi vergonha, mas na grande maioria foi medo e impotência. Saber que não posso, bater de frente com meus limites, enxergar a minha própria dor frente ao outro e por ai vai. Tudo faz parte, o aprendizado é como enfrento e de que forma sobrevivo a estes conflitos.

Uso a palavra sobreviver, mas cada vez mais percebo que nossa passagem aqui por este planeta se resume a aprender, estou aprendendo o tempo todo, é como se a cada passo o universo enviasse novas formas e situações para que eu aprenda mais. O mesmo ocorre sobre mim mesmo, quando começo a me perguntar o que estou aprendendo sobre mim, os conflitos internos ficam menores, deixam de ser ruins e passam a ser combustível para manter esse fluxo da vida.

Talvez soe poético, talvez assuste. Mas tenho percebido que lutar só causa dor, aceitar e aprender com o que se apresenta é mais simples e mais rico. E sim a pergunta o que estou aprendendo agora com meus conflitos tem me permitido evoluir junto com os que me cercam, e só aqui incluo as pessoas do meu entorno, pois é na presença delas que consigo fluir e continuar no caminho.

Vim aqui te ver pra lembrar quem sou…

Qual a importância do aprendizado através do olhar do outro?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f