top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como falarmos de segurança coletivamente?

Essa noite a porta dormiu aberta…

Nada aconteceu, mas de alguma forma a situação me remeteu as cidades do interior, bem pequeninas onde a porta realmente fica aberta o dia todo, e algumas vezes não tem nem tranca.

O que acontece nestes lugares, onde as pessoas deixam a porta aberta? Muito provavelmente elas se sentem seguras, e isso é ótimo. Como voltarmos a esse olhar?

Exploro essas perguntas, por que muitas vezes ao se falar de segurança, vem o assunto armamento, policiamento, justiça, mais cadeia, mais rigidez. Somos muitos circulando e parece que de alguma forma terceirizamos a nossa segurança a outros, ao poder público.

Ontem passei com cuidado, pela rua onde se encontra a simplify, na Bastian, contei mais de 40 prédios, com no mínimo 30 empresas funcionando, algumas residências, durante o dia 3 estabelecimentos tem segurança na porta, de verdade 1 pessoa na frente do estabelecimento cuidando da segurança.

Olhei com mais cuidado e vi que alguns prédios tem porteiro, no mínimo 5, já estamos ai em 8 pessoas cuidando da segurança. Não paro por ai, quase a totalidade dos prédios tem câmeras, alarmes e sensores antifurto, alguns ainda com vigilância terceirizada contratada.

Não posso imaginar, o quanto em recursos é gasto por mês entre todos os prédios desta pequena rua, mas sinto que não é pouco. Somo ainda que temos uma delegacia em uma esquina da rua, e um shoppingcenter com toda sua estrutura de segurança na outra.

Não quero olhar para os números mas tenho certeza que ultrapassam fácil os 100 mil. Quando foi a ultima vez que os tomadores de decisão de cada um destes estabelecimentos se reuniram para conversarem juntos sobre segurança, como minimizar custos e sim termos segurança de verdade ao ponto de deixarmos as portas abertas?

Acredito que possivelmente o ultimo diálogo faça mais de 20 anos, estou a 5 meses nessa rua, e ainda conheço poucos dos vizinhos, me considero parte desse sistema que não conversa, que não se conhece que não divide ou assume responsabilidades em conjunto. Parece que a culpa é sempre do outro, mas que será que pode acontecer se sentarmos para resolvermos a situação juntos?

Como costruir reuniões de vizinhos para gerar novas soluções coletivas?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page