top of page
  • Rafael Urquhart

Como fluir a partir da conexão com si mesmo?

Já senti muito o desejo de estar conectado com grupos, redes, pessoas distantes e também aquelas que não via a bastante tempo e perdi o contato.

Ao parar pra perceber esses momentos de desejo de conexão, de se sentir parte, notei um padrão, me perguntei como eu estava conectado comigo mesmo nesses momentos?

A memória as vezes falha, mas percebi que não estava bem, estava sem confiança, estava me julgando, por um peso de não fazer um monte de coisas que tinha que fazer. Estava descontentado não dos outros mas de mim mesmo.

Hoje estou consciente da conexão comigo, consigo me perceber nesse lugar, ainda não me cuido o suficiente, mas sei que “estou fazendo o que tenho e quero fazer”. É como se os tempos fossem se encaixando, as sincronicidade também é em algum lugar essa percepção de conexão me permitisse fazer, colocar em prática.

É nesse fazer que reside o fluxo, no fazer sem pensar contraposto ao refletir sobre o que se fez, é como se realmente as ações fossem acontecendo, da forma que precisam acontecer com o sentimento de melhor entrega possível. É no primeiro passo da ação que reside a a potência que rompe a inércia.

Nesse lugar existe apenas uma missão, estar conectado, de bem consigo mesmo, fazendo o que é inevitável que se faça.


Como perceber o tempo que te cerca?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page