top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como mudar a perspectiva das histórias que conto pra mim mesmo?

Fico com histórias enraizadas em mim, tanto as boas quanto as ruins. Guardo sempre a minha perspectiva, breve, intensa e com o foco que vivi pelo contexto daquele momento.

Eis que o universo tem me dado oportunidade de contar essas histórias inúmeras vezes por outros ângulos, e me veio presente, por que nunca perguntei ou pedi outras perspectivas das pessoas que viveram a história a época? Fiquei só com uma versão? Será que não existem mais?

Tenho olhado com frequência para o viés da simplificação, e quantas vezes pratiquei ou vivi esse viés nas minhas atividades, consciente ou inconscientemente. Eis que me deparo com uma série de histórias que contava por óticas mais duras, e estas passaram a ficar mais leves e suaves, trazendo outros contextos e novos aprendizados.

Sim é possível aprender mais uma vez apenas recontando algo vivido a partir de outra perspectiva. Aprender outra vez? Sim, pois agora estou em contexto diferente, com um universo perspectivo diferente, e olhar renovo para algumas histórias que foram tristes ou duras, me fez poder ver que existia beleza e aprendizado nelas, deixado disponível no meu insconsciente.

É como se parte de mim tivesse captado aprendizados sem eu me dar conta, como se outros dons sensitivos tivessem armazenados dados diferentes do que o consciente colocou foco no momento. É maluco, mas me fez perceber que podemos sim ter aprendido e não percebido, que muito existe em nós que só não veio a consciência.

Que bom poder lembrar das histórias, que bom ter amigos, colegas e parceiros que podem atualizar e trazer novos olhares, novas observações para que a histórias permaneçam vivas e os aprendizados continuem se acumulando.

Como lido com a preguiça em um dia de chuva?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page