top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como nos apoiarmos em intenções claras, antes de comunicarmos desconfortos conflitivos? (04/fev)

As vezes suspender a voz que reclama por um tempo, até ter clareza de qual intenção deve ser comunicada apoia. Ao mesmo tempo não falar o que emerge no momento que emerge prejudica e acumula ciclos abertos e não fechados que poluem a relação com o outro.

Viver o presente, em tempo presente, requer sabedoria, e quase como utópico sempre será carregado de incoerências.

Hoje dia 4, conflitei muito, por alguns momentos julguei e quase explodi em desconfortos que precisavam ser ditos. Escolhi diferente pra testar outra forma e ver no que dava, decidi falar amanhã do que me desconforta, e do que precisa ser corrigido, através das minhas necessidades.

Mas me perguntei o dia todo, que intenções positivas estão por trás do meu desconforto? De que forma amorosa posso olhar para isso? Como olhar investigando as possibilidades de amorosidade comigo e com o outro?

De alguma forma percebi que por traz da forma sempre existe uma intenção, (gratidão Fabio Carvalho pelo olhar). Sim existe uma intenção sempre, e ela é provavelmente positiva a partir de alguma perspectiva que possivelmente não temos.

Esse olhar de que existem múltiplas outras perspectivas caledoscopicas sobre tudo que acontece, me permite soltar e viver no que não sei, investigando com amorosidade a intenção positiva que esta por trás do que aconteceu e me desconfortou. Se a descubro, conflito e aprendo, se não, espero mais um pouco até que a perspectiva emerja de alguma parte. Sempre existe carinho na intenção.

Para quê intencionar de coração as coisas e situações?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page