top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como o apego se manifesta em você?

Fortemente num apego ao passado. Até por que ainda não descobri um apego ao futuro.

Me apego a objetos ligados a lembranças, a fotografias e principalmente memórias desafiantes.

Em certo ponto esse apego é traduzido em nostalgia, mas tirando esse ar celebrativo do passado também me apego as situações que não consegui resolver.

Fico apegado aqueles pontos da história onde imaginava que o caminho seria diferente e algo ficou inacabado. Um apego a memórias de quais aprendizados importantes aconteceram para não cometer os mesmos erros novamente.

Tenho uma história bem interessante, gerenciei diversas obras pelo Brasil, umas 20 no RS e outras 10 espalhadas pelo Brasil, incrivelmente não terminei nenhuma delas, iniciei a maioria delas, algumas peguei pela metade e passei grande tempo por lá, mas não tive o prazer de ENCERRAR, nenhuma delas. Muito por que o desafio se reduzia e eu ou a empresa entediamos como necessário ir para outro desafio maior, mea culpa, na maioria das vezes fui eu que decidi alçar outros voos, passando o bastão para outro dar continuidade ao que iniciei. Todas essas obras chegaram ao fim, grande parte delas a parte mais difícil ou crucial foi no período em que eu estava lá.

Fico com o apego de sempre ter deixado estas obras melhores do que encontrei. É como se fosse um valor meu, mas também um apego de deixar os lugares sempre melhores do que encontrei. Melhor a partir da minha perspectiva é claro.

Tenho um apego forte as coisas que não concluí. Como uma falta, e volta e meia olho pra isso pra buscar forças e concluir outras coisas.

Sou apegado a paginas em aberto, recentemente escrevi o quanto esse apego ao passado gera uma carga que muitas vezes me impede de progredir. Acredito que quando mais presente e perceptivo eu estiver para este apego, acumulo ferramentas para deixar-lo de lado e tomá-lo apenas como aprendizado para evoluir pelo que vem pela frente.

Talvez você que me lê se conecte com isso, seja mais apegado a um lugar, a pessoas, a coisa, a situações ou a hábitos e vícios. Acredito que o apego esta distribuído em muitas coisas, já fui muito apegado ao RS, quando fui morar na Bahia era quase uma vontade de levar o RS para lá. Desde o churrasco, a música, o sotaque e catequizar novos hábitos por la. Com o tempo esse apego diminui, vieram outros, e assim vamos evoluindo, talvez só desapegue quando parta para outro plano, mas quero com certeza estar atento a estes apegos até que se reduzam a um mínimo de só olhar para frente reconhecendo o passado sem se apegar a ele.

O que você tem compartilhado?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page