top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como pedir ajuda neste caso sem se colocar frágil ao extremo ou em posição de vitima? (15/abr)

Escrevi algumas vezes que só peço ajuda quando praticamente já não existe solução. E o discurso normalmente é baseado em culpa ou ressentimento de ter chegado nessa situação.

Parece que a fragilidade é fragmento necessário no pedir ajuda. Inconscientemente conectamos esses fatores diretamente e então ajuda se transforma em um pedido de socorro, os dois se confundem e se perdem em significado.

Escrevo bem depois o texto com a consciência da ajuda que pedi e recebi no dia 15, de que forma?

Ofereci um trabalho para um coletivo, um jornal, e trabalhando encontrei a forma de me permitir pedir ajuda. Chamei um amigo pra almoçar pra me escutar, e ver onde estou errando.

Chamei alguém pra conversar, e o universo não em enviou somente um mas sim dois, duas pessoas potentes pra me escutar e me dar direção, eliminar meus pontos de culpa e ressentimento me ajudando a colocar foco no que realmente importa, potencializando o que tenho de melhor.

Olhando depois parece simples…

Mas…

Mas não, SIM E fiz o pedido de ajuda sincero, mas ainda sem me colocar no ponto de fragilidade que me encontrava, talvez me esconda frequentemente na posição de forte, inteiro e bem pra tudo. Mas sou frágil, todos somos. Todos estamos frágeis em alguma situação perante a algo. Por que escondo? Por que escondemos? Aprendi a mostrar minha vulnerabilidade, mas e o que está mais embaixo, continuo escondendo?

Volto a pergunta, e reflexiono, por que não nos mostramos frágeis?

Qual o problema de demonstrar a fragilidade?

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page