top of page
  • Rafael Urquhart

Como seria se as nossas semanas tivessem um dia onde a tentativa e erro são estimuladas?

Interessante me deparar com esta pergunta agora, hoje passei o dia errando. Escolhi ir para um destino de uma forma diferente, mais econômica mas que me custou bem mais tempo e fez falta no final do dia.

Errei muito dando pareceres sobre analises que estavam baseadas em dados equivocados. Dei prioridade a itens ainda que não agregavam o devido valor, ficando com uma sensação de que o dia foi de muito trabalho mas pouca entrega de valor.

Olho agora pra pergunta e percebo que todos estes erros me acrescentaram repertório no momento que me encontro. Talvez num próximo deslocamento vou considerar o verdadeiro tempo desprendido e pesar na próxima decisão se tenho ou não esse tempo pra investir. Quanto as analises, voltei a um repertório antigo que tinha abandonado, preciso ter mais certeza ao emitir um julgamento ou opinião, e falando em números eles precisam estar apoiados numa base correta de dados.

Aprendi que errei pra buscar ter mais segurança nos números que estou montando.

Olho para esse estimulo ao erro semanal, olho para o entorno e vejo que tem muito erro sendo punido, muito erro não sendo aproveitado para tirar o melhor aprendizado. Sei que já escrevi varias observações sobre isso. Mas penso que seria interessante termos em uma equipe o “DIA DO ERRO”. Testar coisas novas, fazer coisas diferentes, ir por um caminho diferente da casa para o trabalho, interagir com outros de outras formas em que erros possam aparecer e novos aprendizados emerjam.

Olho pro ultimo paragrafo e parece divertido, mas será que estamos preparados para não nos julgarmos e focarmos no aprendizado de um dia repleto de erros?

Talvez as gerações que estão vindo possam nos ensinar a errar mais, julga menos e aprender com mais leveza consigo próprio, por enquanto sigo nessa busca de me permitir errar para aprender, sem me culpar por não ter parecido produtivo.

Como encontrar seu próprio espaço?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page