top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Como simplificar a auto-cobrança?

Substituindo auto-cobrança por limites e aceitação.

Não sei se funciona pra todo mundo, mas tem me feito bem. Estou passando por mais uma transição, me desliguei da empresa a qual estava dedicado em tempo integral depois de 20 meses, passando a oferecer serviços a outras organizações incluíndo a que estava em dedicação total.

Nessa transição fiz o caminho inverso da maioria, enquanto muitos estão saindo do Home-office eu estou entrando aos poucos nesse modelo. Não preciso aqui contar as novidades e os desafios. Mas sair de uma jornada intensa 40h por semana, com horários de entrar e sair, para uma jornada livre, onde coloco meus horários, faço minhas escolhas respondendo a mim mesmo tem lá seus desafios.

A autocobrança se faz necessária, afinal meu chefe sou eu, por mais que na minha hierarquia exista o meu cliente lá encima, são as minhas atitudes diárias que dão ritmo e valor ao que entrego.

Ok, mas como cobrar a mim mesmo, como não ficar demais na procrastinação ou no ócio, ou como dosar os tempos e manter as entregas?

Já passei por essa transição outras vezes, de diversas formas por sinal. Me cobrei demais nas anteriores a ponto de me paralisar, diferente desta onde me preparei emocionalmente para esse momento. Não existe uma única resposta para a auto-cobrança, o padrão que percebi foi o de manter uma cadência, um compasso, algo não acelerado, mas também não paralisado. Todo dia um pouquinho, horários flexíveis mas em quantidades rígidas.

Quais são os limites? E se não acontecer o que acontece? E se eu falhar? E se eu não gostar do meu próprio trabalho? E se eu faltar com tempo para alguém? O que meu instinto está dizendo?

As perguntas se multiplicam quando dedicamos tempo a trabalhar a nós mesmos na arte do autocuidado, preciso manter o ritmo e ao mesmo tempo cuidar de mim e do processo. É tudo novo, tudo é inicio, tudo cobra energia e força, mas e daí, como simplifico isso tudo?

A aceitação é uma habilidade em eterna construção, evoluímos e aceitamos mais, mas também nos cobramos mais. Quanto mais sei ou quanto mais habilidades construo, maior é o campo da intolerância comigo mesmo. Nesse jogo entra o LIMITE, QUAL O LIMITE DA AUTO-COBRANÇA?

Posso estar errando ao centralizar a resposta, mas me parece que o limite da autocobrança está no limiar do encontro da aceitação, enquanto eu aceitar sem limites, a autocobrança cresce. Quando limito a minha aceitação, aceito o erro e me permito desfrutar, a auto-cobrança diminui e é substituída pela observação e aprendizado, ou simplificando pela presença plena.

Qual o limite da sua aceitação de si mesmo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

コメント


Post: Blog2_Post
bottom of page