• Rafael Urquhart

De onde vem a confiança?

De dentro talvez, do lado bom dos humanos, da conexão com o outro, e de tantos outros lugares possíveis que cabem dentro de um ser humano.

Resposta fácil, pronta, parece receita de farmácia. Será?

Creio que a confiança é construída, adquirida com o tempo, uma criança só caminha sozinha quando está inserida em confiança, e a partir daí confia em si mesma. Da o primeiro passo, mais um, e pouco a pouco vai adquirindo a confiança de ficar de pé.

A confiança não nasce do nada, não brota, ela leva tempo. Para alguém confiar em algo completamente contrario a tudo que viveu e lhe foi dito leva mais tempo ainda. Vejo que a desconfiança está instalada, é um sistema operacional prático, cheio de leis, regras, e crenças que limitam que já está. O mais fácil é desconfiar de tudo e de todos.


Quando chegamos nesse ponto que desconfiamos de tudo?


Se já desconfiamos, parece mais difícil ainda, precisamos desconstruir a a desconfiança para depois plantar a confiança. Incrivelmente isso demanda tempo, precisa de tempo, muito tempo.

Vejo jovens que não confiam mais em nada, vejo adultos desiludidos, entregues a um modelo de desconfiança, onde acreditam que não podem fazer diferente, mudar paradigmas e construir novas crenças. Simples assim, estamos todos presos num sistema burocratizo, pesado, custoso e caro pra todos devido a desconfiança que opera nele.

A confiança brota do sorriso, é cria na expectativa transparente e possível que se realiza, é estendida ao outro, depende de escuta e fala honesta, serve para ampliar as alternativas e possibilidades, e que juntos possamos construir mais o bem, mais o belo, mais o saudável para receber nossos filhos.

Fica lindo o discurso, mas a confiança vem de cada um, aquele que confia em si próprio emana luz, distribui confiança, amplia o horizonte pra todos. E se todos fizermos juntos, quem sabe o horizonte de um mundo baseado em confiança esteja mais próximo do que pensamos.

E se confiando nos tornamos apreciativos?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f