• Rafael Urquhart

E se não existissem esses registros, como poderia ser?

Talvez utópico, mas não existiria o ontem, teríamos que aprender tudo outra vez todos os dias.

Vi meus avós perderem a memória ao ponto de perguntar quem eu era frente a eles, tive a oportunidade de me apresentar a eles varias vezes contanto quem eu era e o que tínhamos feito junto. Quando isso aconteceu, confesso que me sentia triste por não ser lembrado, mesmo sabendo que isso era resultado de uma impotência e de uma degradação física natural.

Fico me perguntando se a qualidade de presença adquirida sem memória não poderia ser descrita de outras formas. Lembro de um filme acho que o nome era “Como se fosse a primeira vez”, em que um casal vivia todos os dias como se fosse a primeira vez que se encontrassem, em função de uma das pessoas sofrer de perda de memória crônica, dormia e apagava toda a memória. Assustador, talvez cansativo, mas todo dia era o primeiro.

Certa vez escrevi sobre o fazer pela primeira vez, e o quão rico é olhar para o dia a dia com essa lente. Quantas coisas fiz hoje pela primeira vez? Sem registros, sem instrução, simplesmente vivendo o presente.

Fico dando voltas aqui olhando para essa inexistência de registros através do olhar positivo.

O que me fez pensar em outras possibilidades foi assistir o tedex da Jill Bolte Taylor que teve a oportunidade de contar a respeito da experiencia de aprendizado de um derrame, vale a pena conferir, amplia a percepção de que mesmo que algo que universalmente uma tragédia pode trazer aprendizados absurdos para nossa existência.

Confesso que gosto dos registros, trabalho para ampliar sua qualidade e não só quantidade, buscando os padrões e aprendizados que eles nos revelam, afinal são os registros que nos permitem transmitir e exponencializar conhecimentos, habilidades e sabedoria.

O que fiz hoje pela primeira vez?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f