top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

E se tivéssemos mais tempo para conversas?

E se…

Pelo que vejo não temos, e termos que criar este tempo.

Algumas conversas precisam de muito tempo, não adianta querermos resolver alguns conflitos, e criar soluções sem conversarmos. Sim é possível fazermos com mais eficiência cercados de metodologia, mas ainda assim é preciso de tempo de qualidade, sem distrações e sem interferências.

Hoje tive a oportunidade de por 2 momentos, conversar com tempo, avaliar as perspectivas de ambos os lados, escutar com atenção entendendo a posição e o movimento do outro, a partir dessa conexão foi possível traçar estratégias, olhar para os aprendizados, ver que a soma do conjunto é mais potente, e assim seguimos, foi necessário o uso de mais de 2 horas, tempo precioso, mas o resultado foi mais importante que o tempo utilizado.

Penso que em menos tempo o resultado seria diferente, talvez com alguém anfitriando essa conversa com algumas ferramentas o tempo fosse menor, mas ainda assim as soluções ficariam diferentes sem a proximidade que agora existe. Falamos de saltos, saltos quânticos na direção do não saber. Independente da potência do salto, a conversa vai ser sempre o ingrediente comum, o que permeia e que sustenta qualquer movimento, sem conversa o movimento diminui e nasce sem potência.

Reflito no e se, e me pego olhando pro tempo, e tendo que naturalmente escolher quais conversas, quero, desejo e necessito ter. Nessa trilogia de perspectiva fica mais fácil decidir, a conversa nasce de um querer, de uma vontade genuína e também da necessidade latente, se isso acontece.a escolha é garantida. Com aquela conversa em família que por muitas vezes é adiada por que é necessária, mas ninguém quer ter.

O tempo está ai, passando…

Quais conversas ainda quero ter?



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page