top of page
  • Rafael Urquhart

E se tomar cafés e conversar fosse a forma mais próxima de comunicar?(17/jul)

Volto a boa e próxima conversa comigo e com o outro.

Ando cansado de tanta mídia, tanta rede, tudo pipocando na minha frente. Talvez eu esteja voltando a moda antiga. Olho pro meu celular e me sinto invadido, como se nas épocas politicas de 10 anos atrás onde faltava espaço em poste e parede pra tanta propaganda.

Escolho um pouco do que quero ver, mas ainda assim, não consigo escolher muito, me sinto escolhido, então paro de olhar, me afasto, e de alguma forma acabo não comunicando na mesma onda também.

Pergunto e se, por que de repente me voltou a vontade de encher a agenda de cafés, conversas, pra contar o que ando fazendo. Tenho conversado com muita gente, pra saber o que os outros estão fazendo, algumas consultas quase como mentoria, mas parei de ir a frente com minhas frequências frenéticas de cafés.

Nessa quarta tive a oportunidade de encontrar um amigo originado de um café de 2015, de lá pra cá ele continuou a prática, eu reduzi e aumentei algumas vezes, mas não com a frequência que ele teve. De repente estávamos contando o que um e o outro estava fazendo encontrando os pontos comuns. Não poucos.

Não fechamos nenhum negócio, nenhuma parceria aparente, mas ele ficou na minha lista de recomendáveis e eu na dele. Senti que eu estava fazendo muita coisa, mas sem definir qual a PRINCIPAL COISA pra contar ou vender pro outro, sendo que nesse vender pode ser um engajar, um aproximar, como conectar a um sonho.

Nesse café as vontades mais fortes de colocar foco era ao falar da Simplify, me afastei um pouquinho nas ultimas semanas, por sentir que a energia precisava ser recarregada, me entusiasmei, e percebi que tenho falado da simplify nos mesmos círculos, de forma repetitiva, sem ir a outros lugares, outros cafés pra contar um pouco mais.

Parei com a cafeina tem mais de 50 dias, e nem assim deixo de convidar pessoas pra tomar um café e ajustar uns ponteiros, conversas boas aqui e ali, leitura de mercado, sentimento de proximidade e distância, mas e se a cada café eu pudesse trocar um valor implícito, como seria?

E se eu tivesse um artefato pra reconhecer uma conversa e uma troca de valor imediata?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page