top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Em qual condomínio posso ligar esse foda-se sem que o volume da frequência incomode o vizinho?

Não é fora, é dentro. No condomínio comigo mesmo, na minha presença.


Parece uma resposta simples, até uma fuga, já que não esta fácil ser quem se é lá fora. É muita expectativa, muita carência, muita necessidade junta e todas para ontem. To cansado de suprir e seguidas vezes sinto é ganas de sumir.


Desaparecer talvez não seja solução, mas ligar o modo silêncioso no salão sim. Trabalhar para que aquela vozinha que fica acima do ombro se aquiete, que dentro da nossa cabeça fiquem só suspiros e apreciações, deixando para que a realidade se manifeste na voz do outro com algum Feedback.


Não desejo incomodar ninguém, nem mesmo o vizinho. Também não desejo me deixar incomodar por ninguém. E talvez esse seja o acordo condominial da minha cabeça. Para que me estressar? Meu ego as vezes me derruba, as vezes me atrapalhar, mas também é ele que me mantem firme nos meus valores e ideais. O pensar sobre mim mesmo na miserável arrogância do achar que sabe nos derruba de fato, cria confusão, causa ruído, passa dos limites e bagunça a convivência. Ser leve, com um foda-se bem dado, daqueles de respirar fundo e chiar o pulmão. Talvez facilite que ocupemos o tempo com aquilo que realmente importa e que precisamos entregar agora.


Vizinho é bom, mas melhor ainda é estar bem comigo mesmo.


Quais conversas precisam ter no lugar onde estamos?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quais as perspectivas de documentar as relações?

Uma foto. Uma mensagem. Um filme. Uma lembrança. Uma ou infinitas histórias. As relações acontecem no agora, mas deixam rastros pela eternidade. Uma briga ou palavra mal dita, uma mensagem bem ou mal

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page