• Rafael Urquhart

O quão duros estamos?

Dureza, rigidez talvez.

No momento que devíamos estar mais adaptáveis, flexíveis e abertos. Estamos fechados, isolados, controlados e comedidos.

Falo em nós, mas estou falando sobre mim. Nunca interagi tão pouco e não falo do isolamento, afinal a interação virtual está acontecendo a todo tempo. Minha interação e abertura tem sido comedida, respeitando os espaços internos. Me sinto mais duro no sentido de estar focado no que é importante para mim, desconectado do que é importante para todos. Neste ponto já estou sendo duro comigo mesmo, que talvez é onde essa dureza questionada mais se apresenta.

Me culpo, me cobro, me observo constantemente. Talvez use o chicote em demasia para me punir a respeito daquilo que não fiz, ou sobre como não me comportei.

Se exagero na dose da fala, na resposta mais incisiva, logo para e me cobro de como poderia fazer melhor.

Sim estou duro comigo e acabo sendo duro com outros.

Será que sou só eu, ou estamos todos inflexíveis?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f