top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

O quão duros estamos?

Dureza, rigidez talvez.

No momento que devíamos estar mais adaptáveis, flexíveis e abertos. Estamos fechados, isolados, controlados e comedidos.

Falo em nós, mas estou falando sobre mim. Nunca interagi tão pouco e não falo do isolamento, afinal a interação virtual está acontecendo a todo tempo. Minha interação e abertura tem sido comedida, respeitando os espaços internos. Me sinto mais duro no sentido de estar focado no que é importante para mim, desconectado do que é importante para todos. Neste ponto já estou sendo duro comigo mesmo, que talvez é onde essa dureza questionada mais se apresenta.

Me culpo, me cobro, me observo constantemente. Talvez use o chicote em demasia para me punir a respeito daquilo que não fiz, ou sobre como não me comportei.

Se exagero na dose da fala, na resposta mais incisiva, logo para e me cobro de como poderia fazer melhor.

Sim estou duro comigo e acabo sendo duro com outros.

Será que sou só eu, ou estamos todos inflexíveis?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page