top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

O que acontece quando não existe linguagem no comunicar? (10/jul)

Só um sorriso.

Tirei a manhã pra ficar com o Benjamin, não sei ele entende o que eu falo, mas tenho certeza que ele ainda não fala. A linguagem é natural, facial, sorrisos, caras, bocas e olhares e nos conectamos.

Fiquei pensativo com a pergunta, e com infinitas formas de se comunicar, sons, cores, desenhos, artes, movimentos e sim caras e bocas. Insano mas simples.

A criança aprende que sorrindo consegue as coisas, chorando também, mas se ela é estimulada a receber quando sorri, qual a mudança? Tenho experimentado agir assim, claro que o choro me move de preocupação, mas o sorriso é sempre estimulado e agradecido e coisas mágicas acontecem.

Por que perdemos isso ao longo dos anos? Ou melhor, para que ficamos tão mais duros?

Tenho ficado preso a falta de, faltou falar mais, faltou pensar mais, faltou aprender mais, faltou escutar mais, faltou comunicar mais. Ta sempre faltando, é um choro longo e eterno. Nunca esta suficiente. Minhas idealizações do que espero das outras pessoas sempre me derrubam, e fica como se eu tivesse feito algo a menos do que poderia ter realizado.

A não linguagem também é uma linguagem, se o meu palhaço pode ser sério. Por que minha comunicação não pode ser mais dura, direta e incisiva. Será que existe o jeito certo mesmo, ou outros jeitos são possíveis? Claro que brigar o tempo todo não da certo, já testei, assim como chorar o tempo todo não faz bem. E se o que precisamos é realmente dar o próximo passo comunicando do jeito que dá, sendo quem se é.

Quando ser você mesmo da sinais de que está tudo bem?

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page