top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

O que acontece quando reduzimos a crítica? (25/jul)

Crítica x Apreciação, quem ocupa mais nosso tempo?

Sem duvida a crítica no meu caso. Ela já ocupou um tempo substancial e de alguma forma ainda me consome. Tenho em mim um olhar natural para o que não esta funcionando, para o que precisa melhora. Aos olhos de alguns isso é positivo pois encontro oportunidades, ao olhar de outros pode não soar tão bem.

Me debato sempre com outras formas de olhar para o mesmo ponto e comunicar formas diferentes, ao invés do tom da critica, o tom da positividade do que pode melhorar. Infelizmente isso não acontece no automático e tenho um esforço maior para a cada observação mudar o paradigma. Nessa busca, procuro reduzir, cessar e não falar. Não encontrei a forma ainda em mim, para substituir a crítica, então de alguma forma apenas posso suspende-la ou reduzi-la.

Por um tempo isso pareceu bom, mas ao não apontar a critica ou discutir sobre o que estava vendo, as situações começaram a se repetir, uma e outra vez, me corroendo de alguma forma por dentro. É como se não falar não fosse a solução, e me faltassem habilidades para o caminho do meio. Criticar menos acaba aliviando o tempo, já que não preciso gastar tempo para sustentar a crítica e trabalhar na resolução dela.

Parece fácil, mas ao não criticar, ou apontar os problemas, existe junto um desengajamento, e um não participar, claro que isso alivia o tempo, facilita as coisas, mas não resolve o problema e no futuro em algum momento isso se torna mais complexo.

Substituir a critica parece o caminho, não sobre reduzi-la, mas encontrar formas de falar o que se pensa, com olhar propositivo e apreciativo sobre a situação, que soe como verdadeiro e preocupado, e não como mecânico ou solto com intenções ainda criticas. Se a intenção ainda for critica, por mais positiva que seja a fala, ainda vai soar sobre o que não se quer, e não sobre o que se quer ou se escolhe.

Como o pessimismo participa do tempo?




1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page