top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Para que a desconfiança?

Acredito que em primeiro grau de importância para sobreviver ou nos prover segurança. E a partir dai para ter paz. O que é incrível é que para ter paz os mecanismos baseados em seu oposto, a confiança se mostram extremamente mais simples e humanos.

Somos reflexo de muitas gerações e experiências de milhares de anos. Não sou um bom historiador, mas pelo pouco que conheço, muito da história registrada é marcada por batalhas, disputas de poder, massacres, insegurança e luta por sobrevivência. Temos um histórico de abuso, dominação, escravidão, supremacia, centralizações hierarquizadas de todas as espécies, que independente do filtro de bem ou mal perduraram por anos e proveram sobrevivência para alguns.

Não tem como falar de desconfiança sem passar pelo medo. Medo de quê?

Não precisa dar muito tempo para que começamos a pensar em todos os medos e insegurança que nos afetam nesse momento pandêmico que estamos passando. O medo à sobrevivência nunca ficou tão evidente neste século. A escassez nunca esteve tão presente e fácil de ser percebida como agora. Mesmo antes da pandemia, nossa primeira reação é a de desconfiança, quando seria mais simples confiarmos primeiro.

Ontem palestrei para um grupo de pessoas, e quando questionei do que elas tinham medo, a nuvem de palavras pulou na minha tela com a simplicidade dos medos mais profundos, da morte e da insuficiência. Este estado de medo nos põe em alerta, vigilantes, desconfiados. É parte do sistema que vivemos nos manter vigilantes e medrosos, a desconfiança é naturalmente combustível para uma infinidade de mecanismos, mercados e serviços que a amenizam ou eliminam, com seus seguros, burocracias e afins.

Numa sociedade baseada em desconfiança, mais de 60% do que gastamos esta associado a prover segurança, confiança, garantias e redução de medo. A intermediação de tudo que fazemos esta ai para cuidar disso, são inúmeras profissões, serviços, ferramentas travestidas de segurança, mas profundamente conectadas a tratar da desconfiança natural da nossa humanidade. Para que? Qual a razão?

Acredito não ser um movimento racional, e sim um reflexo inconsciente de tudo que nossos antepassados viveram. Meu filho Benjamin esta com 1 ano e meio, e é incrível como ele confia e acredita em tudo, está aos poucos experimentando ambientes seguros e inseguros, mas parte da premissa de não ter medo. Eu me puno severamente em diversos momentos pois estou transmitindo a ele o meu medo de que se machuque, e aos poucos ele vai construindo os seus limites do que pode e não pode. Não lembro mas passei pela mesma fase de experimentação dos meus limites primários, não da pra negar, existe uma parcela de medo necessária para que sobrevivamos e tenhamos noção dos nossos limites.

Então ok, uma parcela de desconfiança é necessária? Sim, confesso que sim, ela existe, não da pra negar sua existência. E se existe é por que em algum nível ela é fundamental. Tudo que existe em dualidade deve ser dosado e suficientemente dotado de bom senso na sua utilização. O que ocorre é que a desconfiança tomou conta, e o estado de confiança se perdeu. A confiança genuína sumiu. Sinto a necessidade de reestabelecer este equilíbrio, mesmo que demore um longo tempo.

Talvez, experimentando um medo extremo generalizado, passamos a olhar mais pra perto, para nossa volta, revertendo a desconfiança em colaboração a partir da confiança. Reduzir as regras e propor acordos, sair da discussão e da busca de culpados para um movimento de ação e proposição. Afinal desconfiados paralisamos e ficamos esperando que algo aconteça, quando confiamos fazemos.

Qual o valor da sobrevivência?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page