• Rafael Urquhart

Por que o feito é melhor que o perfeito?

É mais simples falar sobre o que foi feito, do que o que poderia ter sido feito.

Por que muita coisa é deixada de se fazer em função das altas expectativas ou idealizações.

O perfeito remete ao melhor cenário possível do que se deseja fazer, muito próximo ou superior a idealização. Quando proferimos a palavra “foi perfeito” é por que certamente fomos surpreendidos, em grande parte pela nossa baixa expectativa ou ainda por fatos realmente extraordinários e pontuais.

Gostaria de ter uma palavra tipo “terfeito” ou melhor “serfeito”. Talvez palavras assim pudessem me remeter a beleza do ser ao fazer e do fazer ao ser. Seria aquela palavra mais robusta para FEITO, está feito, foi feito.

Fazer, independente do como e do quanto, é de fato o que importa. Será?

Quantas pessoas fazem a mesma coisa, repetidas vezes do seu jeito esperando algo diferente.

Aprendi que o ser humano é o unico ser que entra no labirinto percorrendo o mesmo caminho esperando encontrar algo diferente, é como se a fé e o crer muitas vezes se sobrepusessem a realidade. Fazer é importante, mas mais importante ainda é o refletir sobre o fazer.

E talvez ai esteja a chave para lapidar a frase.

O fazer refletido evolui mais do que planejar o perfeito.

Fazer sem refletir e sem a clara intenção de evoluir se acumula e não leva a lugar nenhum.

Quantas pessoas você conhecem que fazem sempre o mesmo, sem refletir, só por fazer?

Já quantas pessoas você percebe que continuam fazendo, evoluindo a cada dia, refletindo sobre o que fazer?

Existem muitas em ambos os polos. Talvez no meio disso tudo, existam aquelas que fazem mas não se percebem evoluindo sobre esse fazer, algo do inconsciente ou instinto, ligado a continuidade do caminhar sem se preocupar muito de onde e por que se está caminhando.

Nessa lógica, a razão, a pergunta “Por quê?” me remete ao fracionar de fazer infinitas vezes em pequenos espaços de tempo, em número suficiente para que o feito ultrapasse a qualidade e a perspectiva de uma única vez feita com perfeição.

Como começar bem?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f