• Rafael Urquhart

Por que o vento sopra mudando de direção?

Impermanência.

Olhamos o vento com a perspectiva matricial, linear em 2D. Enquanto o vento obedece outras perspectivas, encontro de massas, vórtex circulares, canais de passagem, fluxos marítimos, elevação e pressão, gravidade ascendente e tantos outros termos que fazem com que o vento mude, até pelo peso da água sobre o sistema.

O objetivo aqui não é ser técnico, talvez os termos acima possam não estar diretamente relacionados, mas existem, estão lá, se olharmos para a complexidade ou analisarmos a fundo saberemos que isso ocorre. Só que nosso inconsciente simplifica, “Vento norte” ou “Vento sul”. É como se os padrões visuais existentes em nós se sobrepusessem ao complexo querendo facilitar a compreensão. O que é muito diferente de simplificar está análise.

Uso o vento, para explicar que estamos expostos cada vez mais a mais fatores. Nossos desejos mudam muito rápido, nossos planos não são mais de curto e longo prazo, acabam sendo, de presente, curtíssimo e curto prazo. É tudo pra ontem, o tempo pra pensar é limitado, operamos por reação ante ao contexto.

Não entendo de velejar, muito menos de vento. Penso que a metáfora desse esporte/arte milenar possa servir de apoio para tomarmos melhores escolhas/decisões de mudança de rumo.

Tenho em mim internamente alguns sensores que volta e meia aparecem, dizendo silenciosamente “fora de prumo, fora de prumo”, “corrigir rota, corrigir rota”. É um sentimento de que algo não está bem, de que precisa ser revisto, muitas vezes sem saber ao certo do que se trata, e o que fazer. É como se fosse um alerta de mudança de vento, parar estudar, aprofundar e perceber o novo contexto.

Talvez o por que não seja a reflexão chave, mas sim a forma como reagimos as mudanças intempestivas de cenário e clima, para continuarmos no caminho, avançando e evoluindo. Tem horas que é melhor voltar, esperar o mar calmar para navegar com mais força na direção correta. Talvez essa analogia acalme os sensores, trace novos rumos, ajuste os planos para seguir navegando.

É possível andar pra traz?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f