• Rafael Urquhart

Qual a pergunta que ainda não fiz?

Este é sempre o primeiro e o último pensamento ao escrever.

É o que me faz continuar perguntando, continuar investigando, continuar refletindo.

O ainda, a provocação, o olhar para o que não foi feito faz com que a curiosidade e a criatividade possam surgir. Tem dias que a pergunta escrita não vem, mas surgem outras perguntas silenciosas a mente uma traz da outra que me impedem de escrever.

E pensar que a primeira pergunta neste contexto movimentou tantas coisas.

Perguntar “O que é colaboração pra ti?” Em maio de 2016 fez com que muita colaboração fosse refletida, muitos momentos, movimentos, situações, aprendizados e oportunidades surgissem em torno desse tema. Uma palavra tão simples que lá em 2016 ainda me parecia distante e hoje faz parte de quem sou e do que faço.

Ontem escolhi iniciar meu afastamento, ao escrever a pergunta que ainda não fiz? Logo me veio a pergunta do que preciso desapegar neste momento para me permitir tempo para começar a criar novamente? Em tempo veio a situação presente que me encontro, onde preciso focar em um novo desafio, um novo momento, novos olhares e isso faz com que sinta a necessidade de foco e fixar em uma tarefa principal, a cuidar de mim.

Percebi em segundos várias mensagens chegando em WhatsApp, inúmeras em diversos grupos, parei em segundos pra olhar os grupos que leio as mensagens com frequência, acompanho ou volta e meia posto algo. Que tal, deixar essa energia fluir de outra forma? O WhatsApp consome 39% do meu tempo no celular, está na curva A da utilização, se quero reduzir o uso do mesmo, melhor focar em novos contextos.

Escolhi 21 grupos para deixar de estar na presença digital dessa ferramenta, talvez não signifique nada, talvez signifique muito, mais tempo, mais energia, e uma forma de desapegar.

O grupo que me despeço hoje é o do Art of Hosting Colaboração de Novembro de 2017 onde estivemos em 63 pessoas juntas, conversando, refletindo e trabalhando no entorno do saltar de paraquedas no mundo da colaboração, de lá pra cá não parei mais, a curiosidade aumentou, a colaboração aumento em inúmeras iniciativas e propostas, conheci mais pessoas, outros art of Hostings surgiram, mas as pessoas estão ali no grupo, volta e meia trocando mensagens de como estão, pedindo apoio em seus projetos, compartilhando e se fazendo ainda presentes e conectadas em um circulo físico que se fechou a quase dois anos.

Boas lembranças, bons momentos, de fogueira, círculos, papos, colheitas e muitas amizades, seguimos conectados pela nossa história, e quem sabe pelos projetos que ainda podem surgir ao longo do caminho quando nos cruzarmos novamente, lá neste AOH minhas 33 primeiras perguntas ficaram espalhadas pelas paredes da pousada Santa Sophia em Mariana Pimentel. Naqueles dias o sonho de trazer o John Croft aquele lugar acendeu sua primeira faísca, mas esta fica pra outra pergunta, outra reflexão em outro momento, talvez no livro http://www.catarse.me/simplificar ou em outros textos compartilhados por aqui.

Onde a colaboração me faz bem hoje?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f