• Rafael Urquhart

Qual a sensação quando erramos?

Quando nós nos damos conta que erramos ou alguém aponta o erro?

Começo com uma sub-pergunta por que a sensação tende a ser diferente.

Na primeira, quando me percebo errando, faço alguns movimentos para corrigir o erro, outros para aprender com ele, meu culpo um pouco, penso nas alternativas que existiam e quando não me paraliso vou em frente. A sensação nítida é de aceitação, aprendizado e vamos em frente,

Na segunda situação, parece que a primeira reação ou sensação é de defesa,, será mesmo que errei? Qual o contexto, qual as justificativas e culpas inerentes a esse erro? Parece imaturo, mas quando um erro é apontado por outro me coloco numa posição de defesa na maioria das vezes, em muitas delas isso é inconsciente e não me dou conta. Pode ser uma falha, um habito difícil de ser alterado, mas ainda assim percebo que a sensação que fica é de correção, de querer corrigir logo para apagar a impressão de erro frente ao outro. Por que será? Por que é tão mais complexo sentir um erro apontado por outro do que por si mesmo?

Talvez ao longo do tempo meu inconsciente criou a estigma de reduzir ao máximo a possibilidade de erros. Mesmo sabendo que eles vão acontecer inúmeras vezes ao longo da vida. No errar é que se aprende, mas esse aprendizado as vezes depende de um tempo de decantação.

Existe ainda paralelo a esse paradigma do erro percebido, todos os erros não percebidos, aqueles que nem eu e o outro percebemos. Qual a sensação nessa condição, será que ela existe? Pensando em tempo presente, no agora, se estou errando, qual a consequência?

Pois é, muitas vezes só percebemos o erro um tempo depois, onde já não existem mais possibilidades de correção e sim somente a oportunidade de internalizar o aprendizado e seguir. Pensando com mais tempo talvez a grande maioria dos erros tem esse espaço temporal de percepção. Ainda assim os erros percebidos imediatamente são reflexos de estarmos presentes e focados naquilo que importa, assim a palavra mal ditam, o passo mal dado, a atitude mal pensada, podem gerar sensações de alivio na autocorreção imediata, seja com um pedido de desculpas ou normalmente com um recomeçar.

O que é realmente importante agora?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f