top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Qual o limite da sua aceitação de si mesmo?

Que comecem os jogos… de pensamentos e possibilidades.

Não uma, duas ou mais vezes durante o dia meus pensamentos se cruzam avaliando o que esta acontecendo com uma pergunta latente e persistente, o que fazer? Fazer ou não fazer? Reagir?

Por traz dela está o meu conceito interno de aceitação.

Cada um tem o seu, por mais que eu fale do meu, quem agora me lê pode ter outras formas de se perceber e se aceitar.

De verdade no fundo no fundo, o pensamento que vem é de que eu não me aceito, não me sinto suficiente, duvido dos meus potências e colo um peso enorme na ação, de que tenho que fazer mais e mudar aquilo que não aceito, numa confusão natural entre aceitação e resignação.

Por algum motivo virou sinônimo. Resignar, para mim, está associado a baixar a cabeça, seguir e deixar assim com está, sem nenhum fato novo ou reação. Por muito tempo olhei para a aceitação dessa forma, quase que imerso em um personagem de vitima.

E se o que acontece é só o que acontece?

E se o jogo é sobre começar e acabar, inúmeras vezes até a prática de já não saber mais onde começa e onde acaba?

A primeira pergunta vem do Estoicismo, conheço muito pouco, e o pouco que sei agradeço as reflexões do Daniel Wildt. E se eu eliminar a culpa de ontem? Minimizar a preocupação do amanhã? Focar no agora?

Deu certo bom, deu errado, persiste ou ajusta.

Percebi que quanto mais aprendemos, mais jornadas começamos e terminamos, mais experimentos, mais, mais e mais, acabamos por já nem saber o para que estamos em algumas jornadas, já não sabemos onde começou e quando acaba. Algumas já acabaram e continuamos associados a ela sem perceber.

Escopo. Palavra tão comum em planejamentos de projetos, mas tão pouca associada ao nosso cotidiano. Qual o escopo que escolhemos aceitar. Digo sim para limite, para uma estrutura, não um sim pra tudo. Aceito os erros com um objetivo claro, uma intenção viva. Talvez este seja o limite do aceitar.

Aceito as consequências, novidades e surpresas até o limite que me responsabilizei em assumir riscos. E se caso eu perceba que ultrapassei esse limite, paro, respiro, tomo um tempo de ar e renegocio novamente o escopo e os limites de mim mesmo.

Qual o padrão de diferença entre os dias ruins e os dias bons?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page