• Rafael Urquhart

Qual o resultado da prática?

Conhecimento ou aprendizado…

O aprender é nos ensinado por muito tempo que vem do estudar, que estudando aprendemos. Engraçado é que muito do que estudei OU DECOREI já esqueci. E mais curioso ainda é que tudo que pratiquei está em mim, internalizado, de alguma forma em segundos retorna, é como se fosse um repertório instalado.

Praticar ou estudar?

Não tem certo e errado, para muitos o estudar é um praticar, praticar o cérebro através da leitura. E isso já é em si por na prática para alguns. Que tal se desmembrássemos as possibilidades de prática, e não de aprendizado, se colocássemos o foco na prática, se alguns praticam lendo ótimo, outros praticam fazendo e tudo bem.

Já participei de algumas conversas sobre o aprender, e despertei com esse olhar para O RESULTADO DA PRÁTICA, e vi que isso é meio que unânime (se não for me corrijam), todo aquele que pratica por um tempo algo adquire tal habilidade, quanto maior a pratica mais simples e fácil se torna.

A mas tem os que tem o DOM, putz, talvez eles tenham o dom de praticar mais fácil, por que se divertem ao praticar o que gostam. Que tal praticar aquilo que gostamos, será que é só dom?

Se eu brincar de violão 8 horas por dia, com certeza vou ser bom com violão. Se eu brincar de jogar futebol 10 horas por dia, talvez me torne bom em futebol. Se eu escrever 8 horas por dia talvez me torne bom na escrita, e seguimos com tantas outras habilidades tidas como dons…

Eu me considero alguém que não escreve bem, cometo erros de português aos montes, mas comecei a escrever todos os dias, os erros diminuíram, a prática foi ajudando, o método foi apoiando, e fui criando músculos que me permitem escrever diretamente sem devaneios, sem voltas, e na minha humilde opinião um pouquinho melhor que 1 ano atrás. Isso é prática pura.

Sobre resultado? Alegria, autoreconhecimento e orgulho das habilidades adquiridas.

Como flutuar na escrita na primeira e terceira pessoa?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f