top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Quando o inesperado de interações nos proporciona novas possibilidades? (22/fev)

Estou interagindo numa potência elevada, muitas pessoas me procuram para conversar, para me escutar, e como vibro no entusiasmo do simplesmente fazer, algo acontece.

Me questionei durante a semana, sobre o que não estava fazendo para mim, e ao parar para me analisar, percebi que o que faço não gera reconhecimento direto e consequente não gera abastecimento financeiro imediato. Ao mesmo tempo percebo que o que faço é SISTÊMICO em algum nível, é colocar ideias em movimentos que geram impacto talvez num terceiro ou quarto nível depois da minha interação.

Me propus viver 6 meses fazendo sem pensar no receber, fazer sem ser contratado, fazer sem ter garantias. Simplesmente confiar, dar o passo no vazio e deixar que o universo se encarregue de sustentar meus passos e me dar mais confiança para continuar. Não consigo explicar, nem mesmo convencer ou possibilitar que outros entendam, é inesperado, é diferente da normal.

Tenho recebido interações e possibilidades de todos os lados, e sigo fazendo, mesmo sem entender. Os últimos 2 meses foram intensos no fazer e no entregar, simplesmente interagir, fazer o meu melhor, entregar o meu melhor ao outro e continuar me perguntando o que estou aprendendo.

Aprendi nesta sexta feira que o que faço é maior, é uma entrega coletiva, é como um serviço público ao bem comum, é sistêmico. E neste olhar ainda sem saber como funciona essa economia circular sistêmica confio na continuidade, confio que tudo vai se ajustar, só que confio e não fico parado esperando. Confio e toco o barco, faço movimentos, peço ajuda, encontro pessoas e me posiciono falando o que acredito.

E incrivelmente as possibilidades aumentam, as conexões emergem, e o caminho fica mais claro para seguir. Hoje conversei sobre um curso de graduação lindo de design, conversei sobre as possibilidades de um projeto do Oscar Niemeyer ter o nome de Simplify em alguns lugares do mundo. Conversamos sobre cuidar de que cuida da educação, eu como filho de professora, fico irradiante em perceber o tamanho das possibilidades em passarmos a cuidar dos professores. Falamos sobre o futuro da inovação do estado do Rio grande do Sul, Falamos sobre tipos de ego, o ego sobre mim mesmo comparando comigo e o ego comparando com o outro que destrói e convoca a arrogância.

Isso tudo num mesmo dia, que me permiti viver a Simplify como acredito que ela possa ser vivida, aumentando a quantidade e a qualidade das interações em um espaço cuidado, que expande o campo de possibilidades na soma do meu olhar com o olhar do outro.

Qual o significado de celebrar?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page