• Rafael Urquhart

Quando ser você mesmo da sinais de que está tudo bem? (11/jul)

Tomar um sol, atirado enquanto analisa um material, aparentemente pode ser uma atividade de relaxamento, mas também pode ser um trabalho. Simples assim, trabalhar no sol, num lugar qualquer, simplesmente estando presente.

Tenho diminuído minhas brigas comigo mesmo, deixado fluir no tempo que tem que fluir, se não estou bem pra escrever não escrevo, se não estou bem pra trabalhar não trabalho, mas sempre me testo com pequenos movimentos pra ver se realmente não estou bem. Se começo mergulho e vou, escolho estar.

Voltei a ter algumas oportunidades de consultoria e trabalhos na área de engenharia, que ainda são as que me reconhecem com um valor interessante, percebem o valor que entrego de outra forma. São as muitas horas de voo com certeza, mas também são os lugares onde ser direto, firme, forte, e as vezes incisivo reflete valor, e quando estou assim estou sendo eu mesmo, sem rodeios, direto no rim.

Brigo comigo, por que muitas vezes para aprender novas habilidades me jogo em áreas onde não tenho tantas horas de voo, a sutileza, a leveza na comunicação, a empatia, o harmônico de respeitar o tempo certo de resposta me são desafiantes, e na maioria das vezes me tiram do meu ponto de potência de mim mesmo. Tenho um ritmo mais acelerado, quando coloco isso a serviço, e a demanda exige este ritmo algo acontece, minha potência encontra o canal de fluxo de valor, e me sinto pleno.

Nem sempre posso, sei, tenho que respeitar o tempo dos times, o tempo dos outros. Gosto dos métodos ágeis por que não preciso desacelerar, posso continuar acelerado e me distribuir nas tarefas, apoiando o time e trazendo todos para um ritmo pleno para o projeto.

Não me convide a andar devagar, não funciona pra mim, sei que preciso aprender a esperar mas fazendo outra coisa, não ficando parado ou em ritmo lento. Posso fazer menos, em menor tempo e ir fazer outra coisa, mas reduzir o meu ritmo não me faz bem e me afasta da minha potência.

Que tal fazermos juntos cada um no seu tempo?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f