top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Quanta paciência é necessária para parar e observar a si mesmo? (18/abr)

O tempo para uma criança passa diferente, minha filha me perguntava se eu terminaria o quebra-cabeças, se o tempo era suficiente, se eu poderia seguir por horas e como ela podia me ajudar pra terminar mais rápido.

Confesso que senti medo, ir ao encontro da minha filha, 3 meses sem vela, e em um estado negativo mentalmente comigo mesmo. Sempre cuidei das boas lembranças e dos bons momentos com ela, e dessa vez tinha medo, não me sentia suficiente para estar na presença e na alegria dela. O quebra-cabeças me ajudou a estar em mim e com ela, e nos conectou pela paciência.

Nesse contato infantil do brincar, me observei a mim mesmo competitivo, com a mente aberta, montando peça por peça, uma depois da outra. Não da para montar todas juntas, o foco em uma é necessário, um passo de cada vez, uma depois da outra, com paciência cuidado e muita experimentação.

Me percebi não cuidando dos passos, querendo atropelar tudo e todos ao mesmo tempo, vivendo um tempo que não é meu, que não dou conta. O quebra-cabeças ainda segue em montagem, assim como eu, mas naquele 18 de abril, me debruçar sobre mini-desenhos cortados, de um mato com cavalos lindos, me fez refletir sobre mim mesmo e o tempo, o quanto me observo, o quanto dou tempo para cada passo.

E assim descobri que a paciência não pode ser medida e também não sentida, só desfrutada. Como o jogo de xadrez, o olhar a observação precisam de tempo. As coisas mais simples estão sempre na frente dos nossos olhos.

E nessa conexão de paciência entre eu e minha filha, fluímos. Foi a forma dentro das minhas energias mentais que pude estar em contato, conectado, rindo e desfrutando de cada pecinha celebrada no lugar certo, reconstruindo uma imagem que um dia foi transformada em quebra cabeças.

Como sair da prisão do embotamento na responsabilidade com o outro?



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

...e se tudo fosse sobre aprender?

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

E de fato o que é sonhar?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page