top of page
  • Rafael Urquhart

Quantas vezes lutamos sozinhos por algo que podia ser em coletivo e com maior força?

Ando buscando sozinho por sustento…

Tenho trabalhado a maior parte do tempo sozinho…

Olho para tudo que precisa ser feito e vejo com pessimismo as opções…

Não sou habilidoso em tudo que precisaria ser…

Pois é, e por que não me junto com outros? Por que não fazemos juntos? Essa semana pensei em algumas soluções, de me tornar colaborativo na forma que vendo meus trabalhos, sou frágil em marketing, não consigo focar tempo em marketing e não me sinto bem com as técnicas presentes. Preciso de ajuda nisso, ao mesmo tempo se me sento frente a frente com alguém tenho uma capacidade muito positiva em me vender ou vender algo.

E se, eu combinasse comigo e com os que me cercam que 15% do que eu produzir, vai pra rede ou indivíduos que me conectaram ao serviço prestado? Só preciso que a porta se abra, depois tenho repertório, confiança e garantia de resolver qualquer problema na eficiência e acesso a recursos.

Não numa ótica de intermediário, mas sim numa ótica de reconhecimento, que potencializar o trabalho do outro me potencializa sistemicamente de alguma forma, que se nos consideramos um coletivo reforçando a ideia de acesso pra todos, quanto mais recursos e objetos cercamos este coletivo, mais chance de todos prosperarem juntos.

Podemos fazer juntos?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Uma premissa básica talvez? Uma constatação quem sabe? Triste ou feliz, tenso ou relaxado, rico ou pobre, bem ou mal, sei la quantos outros paradoxos extremados binários em que por padrão comum carreg

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f

Post: Blog2_Post
bottom of page