• Rafael Urquhart

Tão simples, mas qual o plano? E quando não existe plano?

é só começar…

Da pra viver sem planos?

Começar um plano ou viver sem planos? Qual é o meio termo entre os dois?

Onde está o equilíbrio entre fazer planos e viver o melhor do que acontece?

As perguntas veem em cascata. Se tudo que acontece é só o que acontece, por que preciso planejar tanto?

Talvez por que o planejamento não seja pra dar expectativa e sim organização e foco.

Talvez por que o planejar não seja sobre atingir a meta, mas desenhar possibilidades de como chegar perto dela.

Talvez ainda por que é mais simples saber aonde se quer chegar e dar um rumo, do que simplesmente andar sem rumo sem saber onde se quer chegar, afinal isso pode fazer com que eu ande em círculos.

Andar em círculo, talvez o emergir dessa observação seja a metáfora mais simples pra descrever como eu me sinto agora. É como se eu não estivesse saindo do lugar e revisitando os mesmos pontos. Deixei de fazer planos de longo prazo por um longo período e isso me levou a ir escolhendo o que se apresentava no momento em que se apresentava. Não foram poucas escolhas ou mudanças de rota, muito pelo contrário, experimentei todas as rotas possíveis no meu campo de possibilidades percebido.

Fugi, fiquei, arrisquei, parei, troquei, tentei, iniciei, reiniciei, pensei, empreendi e por fim acabei voltando ao ponto de partida, não exatamente o ponto de partida é claro, mas muito próximo de um dos objetivos de quando dei a partida e larguei tudo.

Paro e penso, qual o plano? E me deparo com esse vazio em inexistência de plano algum. Olho em volta, e o que parece confortável se demonstra ao mesmo tempo angustiante e desafiador. A ausência de planos fez com que eu demandasse uma constante necessidade de desafios ou risco que agora sumiram. Não me sentir desafiado me deixa perdido ao extremo de não conseguir desenhar um plano.

Então, sem planos, o que fica é um cenário de descoberta, de curiosidade, onde é preciso parar, estudar, observar e escutar o entorno, para quem saber assim traçar novas rotas, ajustar as velas e perseguir novos planos que ainda hão de emergir.

Aonde buscar feedbacks?


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f