• Rafael Urquhart

Fazer o que precisa ser feito, como confiar no tempo e deixar rolar?

Confiar no tempo ou em si mesmo?


Qual tempo, o meu tempo ou o tempo do universo?


Será que é preciso confiar no tempo ou ele já está?


Fazer o que é preciso ou o que é possível agora?


Uma pergunta carregada de diversos paradoxos, por onde começar?


Pois é, tudo tem um ponto de começo, uma largada, um inicio, nossos dias são assim, despertar, higiene, se alimentar e começar depois de já ter começado.


O que preciso fazer hoje que pode comprometer o meu entorno? E se não couber tudo?


Acordei com mais perguntas que respostas hoje, muito por que não estava encontrando o ponto de inicio mais sensato, muitas possibilidades, muita coisa precisando ser feita em diferentes frentes, algumas talvez se resolvam sozinhas, outras eu precise acordar e pedir ajuda, e talvez restem aquelas fundamentais, da porta pra dentro que só dependem de mim.


Acho que fazer o que precisa ser feito já foi bem mais simples num passado não tão distante com menos distrações e velocidade. Acordar no campo, na praia, em outro ritmo, é possível? Já foi possível? Continua possível? Sim.


Fazer o essencial. Se perguntar a si mesmo o essencial.


Talvez o passo de confiar na sua escolha, na minha escolha, na nossa escolha diária do tempo presente. Escolhi escrever neste instante ao invés de abrir uma planilha ou ler um documento importante. Confiei que era isso que eu precisava fazer, para me dar energia para fazer outras coisas daqui a pouco. Estou atento ao tempo externo, mas preciso estar presente no meu tempo, no agora, fazendo o melhor que posso com o que tenho disponível. É fato, 24 horas já não cabem mais, 7 dias é muito pouco, 1 mês ainda fica apertado, os anos já não são muitos mas....A VIDA CONTINUA UMA SÓ.


é só deixar rolar.


O que tem te deixado livre?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mas...Se...Fosse...Não é. Incrível como a criatividade nos permite aproximar sonho de respiro, estou tentando aproximar por algumas possíveis relações. Frequência? Prazer? Ciclo? Deixar passar? Tempo?

Um verbo. Pronto, até aqui concordamos todos. Este é o limite do meu consicente, do pensar, do entender que consigo conectar com qualquer um que me lê, até o meu eu do futuro. O que é? Para quem? De f