top of page
  • Foto do escritorRafael Urquhart

Medo e silêncio, qual a relação?

Quem vem primeiro? Existe relação ou proximidade? Em qual contexto?


O medo silencia. O silêncio amedronta.


Ausência de ruido. Paralisia, vazio ou tédio. Esse é o silêncio que dá medo, ou esse é o silêncio que resulta do medo.


Ninguém vê o medo, mas sente. Ninguém mede, mas existe. Aquilo que não se pode medir normalmente é negligenciado. Quanto de medo tem o silêncio do medo?


Pois é, parece bobo, mas é nesse vazio que reside o perigo, o verbo não dito, a dor não revelada e o velho e bom desconforto escondido. Todo mundo tem medo, do primeiro ao ultimo suspiro, é todo dia, a cada decisão um pingo de silêncio e uma dose de risco ao medo.


Se assim o é, e se consigo medir uma decisão por que não medir o medo? É risco que chama? Será mesmo que que o medo não vem antes do risco? E que o vácuo entre sentir e medir não se chama silêncio?


Como dar voz a esse medo que não silencia? Que medo é esse que grita?


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quais as perspectivas de documentar as relações?

Uma foto. Uma mensagem. Um filme. Uma lembrança. Uma ou infinitas histórias. As relações acontecem no agora, mas deixam rastros pela eternidade. Uma briga ou palavra mal dita, uma mensagem bem ou mal

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page